in

Transformações exigem resiliência de engenheiro agrônomos

Eduardo Piazera é engenheiro agrônomo e presidente do Seagro-SC

O debate em torno da equação que envolve o crescimento populacional e a disponibilidade de alimentos não só é muito antiga como se apresenta sempre renovado. Maltus, que previa fome em razão de o crescimento da população ser geométrico enquanto o crescimento da produção de alimentos seria aritmético, teve sua teoria refutada. Ciência, tecnologia e inovação, entre tantos benefícios que trouxeram para a civilização, fizeram a produção de alimentos crescer mais rapidamente do que a população.

Nos tempos atuais, a catástrofe ecológica, prevista por muitos, apresenta novos argumentos para amparar a ideia de que faltará alimentos. Estudos apontam que um aumento de 3° C na temperatura média no planeta pode inviabilizar o cultivo de grãos no Centro-Oeste do país que, conjugados com as previsões da ONU de que haverá a necessidade de dobrarmos a produção de alimentos até 2050, voltam a desenhar cenários difíceis para o futuro de nossas sociedades.

Por outro lado, novas tecnologias prometem carne artificial disponível nas prateleiras dos supermercados já em 2025, produzidas a partir do carbono, hidrogênio e nitrogênio presentes no ar que respiramos, com custos de produção e impactos ambientais menores. Diante de tal possibilidade, qual seria o impacto sobre o mercado mundial da soja e sobre o Brasil agrícola, campeão mundial de produção do cereal, que é utilizado principalmente para fabricação de ração animal?

A história mostra a impossibilidade de se antever o futuro, e não se trata aqui de buscar fazer previsões. Não existe dúvida, no entanto, de que essas questões e seus possíveis desdobramentos estão entre os temas centrais das discussões sobre o futuro da civilização e impactam o que se conhece sobre agricultura no mundo. Esse e outros assuntos estarão na pauta do 32º Congresso Brasileiro de Agronomia, que ocorre de 19 a 22 de outubro, em Florianópolis. O maior evento dos Engenheiros Agrônomos do país é promovido pela Confaeab e pela Feagro, tem cujo tema central “Os Desafios Profissionais do Mundo em Transformação” e busca trazer para o debate os desafios que se apresentam num mundo em que as mudanças e transformações ocorrem em velocidade nunca vistas.

Fonte: Eduardo Piazera, engenheiro agrônomo e presidente do Seagro-SC

LEIA TAMBÉM:

Diferencial do ovo brasileiro está no frescor

Brasil participa de rodada de negócios com foco no Reino Unido

Consumo per capita de ovo deve aumentar em 2021

CARGILL

Caso de Peste Suína Clássica é registrado no Ceará

Peste Suína Africana será tema de live da Vaccinar