in

Cientistas testam fármaco para tratamento de tambaquis

Parceria entre Unicamp e Embrapa visa combate de parasito

CAPA TAMBAQUI4
REPRODUÇÃO

A fim de combater parasito de tambaquis, fármaco é testado por cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Iniciativa apresenta bons resultados.

Como aponta texto publicado pela Embrapa, “a avaliação do potencial terapêutico e do efeito de bioacumulação do Albendazol e seus metabólitos no músculo dos tambaquis foi feita em peixes naturalmente infectados pelo verme Neoechinorhynchus buttnerae – considerado o obstáculo mais importante no tambaqui cultivado, a partir da administração diária de ração medicada, com eficácia terapeutica maior que 50%”.

Neste cenário, a incorporação do fármaco na ração dos peixes foi realizada por revestimento com o polímero etilcelulose, com objetivo de minimizar a lixiviação para o ambiente aquático. De acordo com a Empresa, devido à falta de tratamentos eficazes, a incidência de infecção por acantocéfalos em tambaqui tem gerado considerável perda de produtividade na região norte do Brasil, que é a maior produtora desta espécie.

A infecção pelo verme promove queda expressiva no desempenho produtivo dos animais, podendo ocasionar perda de peso, de tecido adiposo e músculo ósseo, a chamada caquexia, em casos mais severos – cenário que vem causando significativo impacto econômico dentro da produção setorial.

Para a pós doutoranda da Unicamp, Rafaelle Cordeiro, a redução do desempenho dos tambaquis infectados ocorre devido à competição pelos nutrientes da ração e pela diminuição da área funcional responsável pela absorção intestinal. Este parasito penetra as camadas do intestino com seus espinhos de fixação, o que gera um processo inflamatório e ocasiona a dilaceração da mucosa intestinal do peixe.

“A avaliação da eficácia foi feita nos dias 7, 14, 28 e 35 após o início do tratamento, a partir da verificação da redução do número de parasitos nos peixes 24 horas após a administração da ração. Também realizamos a determinação de Albendazol na ração e a quantificação do resíduo total no músculo dos tambaquis”, explica Cordeiro.

Para saber mais, acesse o site oficial da Embrapa. Clique aqui.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

MAPA aponta dicas para compra de pescados

Agro brasileiro amplia exportações durante mês de março

13⁰ Simpósio Técnico da ACAV anuncia nova data

Relatório pauta desenvolvimento dos setores de aves e suínos

ovos brancos

Preço médio do ovo atinge recorde em abril