in

De Heus deve potencializar ações focadas em aquacultura

Companhia tem investido em parque industrial para aumentar a capacidade de produção

DE HEUS
REPRODUÇÃO

Acompanhar as crescentes demandas dos consumidores e evolução do mercado é um grande desafio. A De Heus vem respondendo a este cenário com investimentos em todo o parque industrial para aumentar a capacidade de produção, armazenamento e logística no País. O objetivo é ampliar o market share nos negócios de pet food e aquacultura e reforçar o posicionamento destes segmentos no mercado em 2022.

Para assumir este desafio, trazendo todo o know how que a De Heus acumula mundialmente, a executiva Sandra Toro, que desde 2018 está à frente da gerência de Negócios de Matérias-Primas, agora assume também as áreas de pet e aquacultura. “A De Heus é um dos maiores players no segmento de nutrição animal e está estruturada para atender as demandas de matérias-primas e premixes para Pet e Aqua – atividades que vêm registrando um crescimento importante nos últimos anos e com expectativa de continuar em alta”, conta Toro, que possui mais de 30 anos de experiência no segmento de matérias-primas, com atuação de destaque em empresas de nutrição animal.

Ela destaca a estrutura que a companhia disponibiliza para oferecer o melhor atendimento às mais exigentes demandas dos setores. “Adquirimos insumos para demandas de diversas regiões onde atuamos, como Ásia, Europa, África e América do Sul e comercializamos matérias-primas em todo território nacional, com rapidez nas entregas e preços competitivos, além da confiança de atestarmos a qualidade dos produtos mediante nossos padrões globais de seleção de fornecedores”.

A empresa também possui um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento no Vietnã com estudos focados no máximo desempenho em resultados para a aquacultura. “Levamos em consideração todos os aspectos relevantes de cada país, com o objetivo de oferecer produtos adaptados à cada necessidade, juntamente com uma assistência técnica especializada”, explica. A companhia conta ainda com uma fábrica que opera livre de promotores de crescimento, melhoradores de desempenho, agentes anticoccidianos e produtos medicamentosos. “Sem receber nenhuma matéria-prima que possa ser contaminante, a unidade produz premix para pet, equinos, suínos e para a aquacultura.”

Na De Heus todas as matérias-primas, fornecedores e fabricantes, passam por um rigoroso processo de qualificação e homologação de 100% das matérias, avaliando assim todo o processo produtivo do fornecedor, explicou a gerente de Qualidade da De Heus no Brasil, Rosane de Carli. “Precisamos garantir que as matérias-primas atendam as especificações de qualidade e nutricionais necessárias para que os produtos atendam às necessidades dos animais”, pontuou a executiva.

Para ela, a escolha das matérias-primas que serão utilizadas em uma formulação de alimento é o primeiro passo para garantir um alimento seguro e com qualidade. “Os processos de produção precisam ser realizados dentro dos padrões e normas estabelecidos pela empresa e pelos órgãos fiscalizadores; os colaboradores que fazem o processo acontecer, precisam estar devidamente treinados e capacitados para entender o grau de importância de suas atividades para o processo e para o mercado”, salientou.

Rosane destaca ainda que “o trabalho de todos com alimentação é extremamente sério. E nós temos uma responsabilidade muito grande com o mercado, por isso precisamos de controles diários, pesquisas diárias e processos adequados para garantir o que o consumidor quer e precisa – alimentos seguros e saudáveis”.

E as fábricas da empresa seguem esta linha de padrões de qualidade internacionais para atender aos mercados mais exigentes, explica o gerente Industrial da De Heus no Brasil, Alexandre Reis. Para ele essa sinergia de processos com a nova estrutura do departamento de Matérias-Primas, Pet e Aqua beneficia os clientes e os demais segmentos atendidos pela companhia. “A maior exigência destes segmentos Aqua e Pet acaba elevando substancialmente a qualidade das matérias-primas em geral da empresa, o que é extremamente benéfico”, sinaliza lembrando que este quadro “garante mais qualidade, segurança e controle dos produtos e processos”.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

IP-APTA inova na produção de ração sustentável

Brasil e Paraguai debatem sobre criação de tilápia em Itaipu

Preço do leite pago ao produtor sofre novo recuo

Santa Maria de Jetiba Vetanco

Vetanco apresenta Biotech Vac Salmonella para postura comercial

pacu

Nível de proteína afeta desenvolvimento de pacu