in

IP-APTA inova na produção de ração sustentável

Produto desenvolvido pelo Instituto não utiliza farinha de peixe

PEIXE

Ao se pensar na sustentabilidade dentro da aquicultura, Instituto de Pesca (IP-APTA) anuncia uma nova ração para peixes. Ação ocorreu durante celebração do aniversário de 130 anos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

De acordo com o IP-APTA, a novidade, desenvolvida em parceria com a BRF Ingredients, permite a substituição total da farinha de peixe (FP) para alimentação da truta arco-íris utilizando insumos sustentáveis e subprodutos da indústria animal.

Para a pesquisadora do Instituto, Neuza Takahashi, a tecnologia trará impacto para toda a indústria mundial de salmão, peixes nativos e peixes marinhos. “A criação de peixes carnívoros depende de ração a base de farinha de peixe, na qual 5 kg de peixes marinhos capturados são usados para produzir 1 kg de peixe cultivado. Tal impacto sobre a natureza não é mais tolerado. Os consumidores exigem uma ração com insumos não extrativista, como essa que desenvolvemos”.

A profissional também explica que os peixes carnívoros suprem o nicho mais valorizado do mercado consumidor. Por isso, o cultivo em cativeiro exige uma alimentação que atenda a requisitos nutricionais mais específicos, em contraste a peixes que se alimentam de plantas ou detritos do fundo.

“O sucesso em atender a tais requisitos nutricionais é verificado por meio de teste com truta arco-íris, modelo experimental internacional de peixe carnívoro. Se aprovado para a truta, o produto é geralmente extensível para outras espécies carnívoras”, explica a pesquisadora.

A ração:

Como destaca o Instituo da Pesca, para o desenvolvimento do novo ingrediente, foram utilizados os subprodutos da indústria de processamento de aves, fontes proteicas renováveis de qualidade e rastreáveis. O produto encontra-se disponível no mercado nacional como Proteína Hidrolisada de Frango da BRF Ingredients e também está sendo comercializada no exterior.

“A aquicultura do futuro tem que ser sustentável econômica e ambientalmente, portanto, além do uso de fontes proteicas alternativas de qualidade a busca por ração comercial ZERO-FP é a forma de preservar os recursos marinhos limitantes e garantir o crescimento da indústria aquícola”, destaca a pesquisadora.

Fonte: IP-APTA , adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Confinamento de gado cresce 25,8% em 2021

Produção de soja nacional deve agregar valor

Relação entre Brasil e Rússia é motivo de comemoração

ABPA conta com nova representante na China

Salmao 1 Apresentacao 800x533 1

Brasil amplia compra de produtos aqua chilenos