in ,

Simpósio realizado pela FACTA reúne avicultura industrial

Evento on-line, reuniu cerca de 225 participantes, de 17 países

avicultura

A edição 2021 do “Simpósio Internacional de Coccidiose FACTA”, organizado pela Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas, ofereceu em sua grade, especialistas do tema que, mesmo sendo muito conhecido no setor avícola, ainda traz grandes desafios para sua contenção. Dividido entre debates e painéis temáticos, o evento on-line, traduzido simultaneamente em duas línguas, reuniu cerca de 225 participantes, de 17 países.

Na parte da manhã, a palestra “Coccidiose aviária – recalculando o custo da coccidiose em aves”, ministrada pelo PhD com foco em genética bacteriana pela University of Aberdeen, Damer P. Blake, trouxe informações sobre o impacto da enfermidade nos lucros da produção. De acordo com o especialista, “o custo da morbidez em 2019 foi o maior, incluindo perdas advindas do ganho de peso reduzido dos frangos, maior taxa de conversão alimentar (TCA) e produção de ovos reduzida entre aves poedeiras e matrizes, custando US$ 1.048 milhão no Brasil naquele ano”.

Blake afirma que “uma estimativa atualizada do custo da coccidiose na produção avícola pode ser útil para substanciar boas práticas de manejo, influenciando decisões da indústria quanto ao preço de medicamentos e vacinas e dos produtores quanto ao seu uso”, pontua.

A palestra do mestre em sanidade avícola da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e gerente de agropecuária da Carrer Alimentos, Cássio da Rosa, abordou o “Manejo da coccidiose – ambiente”, onde Rosa apontou que as técnicas utilizadas para o controle da doença na criação das aves estão fundamentadas principalmente na utilização dos antimicrobianos via ração, e que este modelo pode estar contribuindo para a resistência dos microrganismos na cadeia avícola. “Frente aos desafios e as demandas globais quanto a redução do uso dos antimicrobianos, se faz necessário a busca por novos modelos e estratégias de controle e prevenção da doença”, explica.

Em sua plenária, Rosa apresentou seu estudo que defende que uma das alternativas é o aperfeiçoamento do método lona na superfície de camas aviárias. “Com injeção de amônia no controle de Eimeria spp em camas aviárias reaproveitadas, pode-se contribuir para a redução do uso de anticoccidianos oferecendo aos consumidores um alimento mais seguro, livre de resíduos e microrganismos resistentes aos antimicrobianos”, afirma.

A palestra do diretor administrativo-financeiro da FACTA, Silvio Hungaro, trouxe para conhecimento do público as “Tecnologias para controle da coccidiose”. De acordo com Hungaro, “o uso responsável o planejamento e a escolha do programa de controle a ser utilizado com anticoccidianos ou com vacinas e até a combinações de ambos são as melhores opções para se reduzirem as perdas ocasionadas pela coccidiose”, salientou o médico-veterinário que reforçou que “O controle da coccidiose deve abranger a ave, a nutrição e o ambiente. ”

No painel dedicado a aves de ciclo longo, a gerente de qualidade da Ovos Mantiqueira, Cristiane Cantelli, deu foco para as “Poedeiras Comerciais”, trazendo um panorama geral sobre as vantagens e dificuldades do controle da coccidiose no sistema vertical em gaiola, na criação livres de gaiola – cage free e no sistema alternativo natura – cage free.

Para Cantelli, o monitoramento das aves, independente das instalações, deve ser rigoroso. “Desde a chegada do lote é necessário observar a uniformidade de coloração da vacina (penugem, olho e narina) que deverá estar presente em no mínimo 95% das aves, conforme indicação dos fornecedores. Durante toda a recria, deverá ser observado qualquer alteração de qualidade e coloração de fezes, onde muitas vezes pode até ser pouco perceptível, mas que poderá deixar o lote susceptível a outras infecções. ”

A sanidade dos planteis de frango de corte também teve um painel especial, onde a “Realidade Brasileira” foi abordada na palestra do coordenador de sanidade da Coasul Cooperativa Agroindustrial, Márcio Reolon, que afirmou que “infelizmente não conseguimos eliminar totalmente as Eimérias do meio ambiente, mas sim controlá-las, buscando um equilíbrio na relação hospedeiro/parasita e uma redução da carga parasitária na cama do aviário, através de medidas relacionadas ao manejo, um bom controle sanitário de doenças que afetam as aves, principalmente as imunossupressoras, além do uso preventivo de anticoccidianos na ração ou utilização de vacinas”, ressalta Realon.

Segundo o diretor de marketing da FACTA, Marcelo Zuanaze, o Simpósio mostrou a importância da união da avicultura industrial frente às dificuldades que possam surgir. “Reunimos neste evento um time com know-how ímpar, representando todos os elos da produção avícola. Isto significa que estamos trabalhando incansavelmente para alcançar o nível máximo de excelência do setor e para isso precisamos estar sempre juntos, buscando as melhores alternativas para o controle sanitário dos nossos plantéis”, finaliza.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Diferencial do ovo brasileiro está no frescor

Brasil participa de rodada de negócios com foco no Reino Unido

Consumo per capita de ovo deve aumentar em 2021

Economista analisa ritmo de exportações nacionais

carne de frango

Preço da carne de frango enfraquece em São Paulo