in

Protocolo permite lotação no pasto com sustentabilidade

Com iniciativa, produtividade, qualidade da carne e lucratividade caminham lado a lado

Ao passar do tempo, já não se fala mais sobre produção pecuária sem um ‘detalhe’ que faz toda diferença: sustentabilidade. Com isso em mente, um protocolo inédito, chamado Carne Baixo Carbono, permite aumentar lotação no pasto seguindo demandas sustentáveis.

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com o manejo adequado do sistema de produção pecuário é possível ter 125% a mais de animais por hectare e um peso de carcaça/ha 163% superior em relação ao manejo convencional, “tudo isso garantindo a qualidade do produto final, a fixação de carbono no solo e o controle das emissões de metano”.

“Os dados integram o primeiro protocolo para produção de carne com baixa emissão de carbono no Brasil, a Carne Baixo Carbono (CBC) ou Low Carbon Brazilian Beef (LCBB). A Embrapa, responsável pelo estudo, obteve os dados em uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) de pecde corte, localizada no Cerrado baiano, com avaliações de estoque de carbono no solo, ganho de peso dos bovinos, qualidade da carne e emissão de metano”, explica a Empresa.

Para a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul (RS) Márcia Silveira, que coordena o trabalho de validação do protocolo, a marca-conceito CBC busca valorizar sistemas pecuários que não possuem o componente florestal, mas que apresentam potencial de mitigação das emissões de gases de efeito estufa (GEEs) por meio do adequado manejo da pastagem e adoção de boas práticas agropecuárias. Por isso, a Embrapa e a Marfrig Global Foods possuem uma aliança estratégica para fortalecer a agregação de valor à carne bovina brasileira, que envolve as marcas-conceito Carne Baixo Carbono (CBC) e Carne Carbono Neutro (CCN).

“O estudo buscou avaliar a produção de bovinos de corte em sistemas com pastagens bem manejadas no intuito de validar as diretrizes em ambiente comercial. Os resultados iniciais demonstram que, pela implementação das diretrizes CBC, é possível garantir produtividade e qualidade da carne, de forma a aumentar a lucratividade do produtor, sem abrir mão da manutenção ou aumento do estoque de carbono do solo e da mitigação da emissão de GEEs, além do efeito poupa-terra, relacionado aos ganhos de produtividade do sistema, que possibilitam o aumento da produção de carne com menor pressão sobre a vegetação nativa. É mais um passo na busca pela eficiência produtiva que leva em conta a qualidade do produto e do seu ambiente de produção”, aponta a profissional.

Fonte: Cepea, adaptado pela equipe feedfood.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

avicultura

Avicultor apresenta recuperação do poder de compra

“Pensando no amanhã”, Safeeds apresenta Centro de Ciência e Inovação