in

Embrapa e Nestlé firmam parceria para Net Zero

Projeto prevê redução de 20% até 2025 e 50% em 2030 da emissão de carbono

Buscando integrar produtividade e sustentabilidade, a Embrapa Gado de Leite e a Nestlé iniciam uma parceria pioneira para o desenvolvimento de uma pecuária de leite “Net Zero” no Brasil. O projeto integra o compromisso global da empresa de neutralizar as emissões de carbono de suas operações até 2050, já prevendo uma redução de 20% até 2025 e 50% em 2030.

O projeto terá a duração de três anos e será composto quatro eixos principais: plano de adequação para conversão de 20 propriedades leiteiras em produção “Net Zero” em diversos biomas e sistemas de produção; cursos de capacitação presenciais e à distância (EAD, vídeos e podcasts) sobre práticas para mitigação da emissão de carbono e adoção de agricultura regenerativa na produção de leite; transformação de dois sistemas de produção da Embrapa (confinamento e a pasto) em carbono neutro e estimulo à criação de soluções inovadoras por greentechs e cleantechs, focadas nos desafios da conversão.

“Nosso propósito é contribuir para que os produtores brasileiros adotem técnicas sustentáveis visando à produção de leite carbono neutro. Este desafio será compartilhado entre os pesquisadores da Embrapa, os técnicos da Nestlé e os produtores participantes”, explica Paulo Martins, chefe-geral da Embrapa Gado de Leite.

Net zero na prática

Ao todo, 20 propriedades leiteiras fornecedoras da Nestlé no Paraná, São Paulo, Goiás e Minas Gerais vão receber recomendações técnicas e o acompanhamento da evolução do processo de adequação “Net Zero”. Estarão envolvidos pequenos, médios e grandes produtores, além de diferentes sistemas de produção: compost barnfree stall, sistema intensivo em pasto e semiconfinado. Os pesquisadores da Embrapa e os técnicos da Nestlé irão avaliar o perfil tecnológico e as emissões de carbono nas propriedades. Desse marco zero será feito o planejamento individualizado e, por meio do acompanhamento mensal, serão feitas sugestões de adequações.

Nas fazendas serão avaliadas as emissões de gases de efeito estufa e desenvolvidos planos de adequação para cada uma delas pela melhor combinação de tecnologias e com o objetivo de reduzir as suas emissões de carbono. Esse plano de adequação terá por finalidade converter essas propriedades, a partir da situação atual, para uma situação com emissões neutras ou de baixo carbono. “É um processo complexo que vamos acompanhar com balanços periódicos para avaliarmos se estão em direção à neutralização”, explica Inácio.

A Embrapa Gado de Leite terá duas vitrines, que vão mostrar as tecnologias disponíveis para a redução das emissões de carbono: Compost barn (confinado) e Leite Verde (produção a pasto). Será feita a avaliação da pegada de carbono. Serão implantadas as melhores tecnologias para converter esses sistemas em carbono neutro e realizadas ações para divulgar as tecnologias para técnicos e produtores, além de produção de vídeos e podcasts.

Fonte: Embrapa Gado de Leite, adaptado pela equipe feed&food.

CONFIRA:

México deve potencializar compra de carne de frango brasileira

Faesp aponta preocupação com juros do Plano Safra

Fique por dentro das principais atualizações do mercado de proteína animal, acompanhe também: www.revistafeedfood.com.br

Embarques de carne bovina aumentaram no mês de junho

febre aftosa

SP: chega ao fim prazo para declarar vacinação contra aftosa