in

Faesp aponta preocupação com juros do Plano Safra

Segundo o presidente da Federação, taxa Selic cresceu 54,54% entre uma safra e outra

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), Fábio de Salles Meirelles, avaliou o lançamento do Plano Safra 2021/22 e pontua alta dos juros como ponto negativo do projeto. “Os R$ 251,2 bilhões destinados ao programa são apenas 6,3% superiores aos R$ 236,3 bilhões do anterior. O aumento poderia ser um pouco maior, se levarmos em conta a inflação do período e a depreciação do real ante o dólar, que encareceu bastante os insumos importados”.

PRONAF

A principal preocupação, segundo ele, refere-se aos recursos destinados aos créditos subsidiados, que são muito importantes para pequenos produtores atendidos pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O aporte de R$ 13 bilhões para os programas subvencionados – dentre eles o Pronaf e o Pronamp -, este ano, representa crescimento de 13,04% na comparação com os R$ 11,5 bilhões de 2020.

“Estes recursos, que alavancam linhas com recursos controlados, porém, não atendem à demanda total, e muitos produtores têm de recorrer outras opções de crédito no mercado financeiro”, frisa. A Faesp, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e própria Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, demandaram do Ministério da economia R$ 15 bilhões para as linhas subvencionadas.

Taxa Selic

O presidente da Faesp lembra que, no lançamento do Plano Safra anterior, a Selic estava em 2,75% ao ano; agora, é de 4,25%, ou seja 54,54% maior. “Assim, seria pertinente uma verba mais expressiva para o crédito subvencionado, reduzindo a necessidade de, num ambiente de juros mais elevados, os produtores terem de recorrer às taxas de juros livres”, pondera, concluindo: “Esperamos que, no decorrer do ano, seja possível equalizar melhor a questão do crédito, instrumento fundamental para o setor agropecuário, que tem sido decisivo para o abastecimento, a geração de empregos, ingresso de divisas da exportação e a economia nacional”.

Pontos Positivos

Apesar dos valores serem menores do que o esperado, o Plano Safra trouxe pontos positivos, como a agricultura familiar, que teve uma verba maior, e os investimentos em Bioeconomia, que incluem linha de crédito para Turismo Rural, que é uma demanda antiga da Faesp; crédito para agroflorestal; e apoio na produção de bioinsumos.

Fonte: Faesp, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

Instituto Mosaic seleciona iniciativa para Edital da Água

suinos

Biomin realiza hoje webinar sobre Influenza Suína