in

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Segundo o Cepea, cenário desfavorece poder de compra dos profissionais

Ao analisar cenário atual, Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, aponta que atual poder de compra de pecuaristas paulistas, frente ao milho, é o pior desde junho de 2016.

De acordo com pesquisadores do Cepea, “nem mesmo as altas nas cotações do boi gordo ao longo de abril vêm ajudando a melhorar a relação de troca de arroba por um dos principais insumos de alimentação”. Situação é em decorrência da forte valorização do milho, em contínua ascensão.

Os profissionais ressaltam que esse cenário é observado justamente em um período em que pecuaristas intensificam o uso de grãos na alimentação animal, tendo em vista a entrada do período mais seco do ano.

“Considerando-se os Indicadores CEPEA/B3 do boi gordo (Estado de São Paulo) e ESALQ/BM&FBovespa do milho (Campinas – SP), enquanto no início de 2021 a venda de um quilo do boi gordo possibilitava a compra de 14,82 quilos de milho, neste mês de abril, o pecuarista consegue adquirir apenas 13,09 quilos do insumo”, destaca a instituição.

O Cepea também destaca que, em abril do ano passado, a venda de um quilo de boi rendia 15,08 quilos de milho, ou seja, “a relação de troca atual está 13,2% pior”. “Em junho de 2016, a venda de um quilo de boi possibilitava a compra de apenas 12,75 quilos de milho”, finaliza.

Saiba mais no site no Centro de Estudos. Clique aqui.

Fonte: Cepea, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

Forte demanda mantém preço do suíno vivo em alta

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

Cargill investe 2 milhões em Centro de Pesquisa