Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
BOVINOCULTURA

Conteúdo

Confinamento de gado ganha força com queda nos preços dos insumos

"A alta se deve ao aumento no poder de compra dos confinadores e melhora na relação de troca", pontuou Alberto Pessina
feedfood

Em plena virada de ciclo, a intenção de confinamento de gado tem aumentado significativamente, impulsionada pela queda nos preços dos insumos e pelas condições climáticas.

Neste cenário, a redução nos preços do milho e do farelo de soja, essenciais para a ração animal, e as condições das pastagens durante a estação seca e fria incentivam o confinamento do gado.

O levantamento realizado em abril pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) mostrou que 724,90 mil animais em Mato Grosso, o estado com o maior rebanho do país, estão sendo confinados. O número representa um aumento de 1,09% em relação à projeção de 2023.

“A alta nas intenções de confinamento, apesar das incertezas quanto aos preços do boi gordo, se deve ao aumento no poder de compra dos confinadores e melhora na relação de troca, tanto dos insumos quanto do ágio do boi magro”, avaliou o CEO da Agromove, Alberto Pessina.

A intenção de confinamento de gado tem aumentado significativamente, impulsionada pela queda nos preços dos insumos e pelas condições climáticas (Foto: reprodução)

Ainda de acordo com Alberto, o número de fêmeas enviadas para confinamento começa a reduzir em relação aos machos, o que indica o momento de suave retomada de um ciclo pecuário para o terceiro ou quarto trimestre de 2024.

“Ainda se observa pecuaristas abatendo fêmeas, o que ajuda a manter a oferta elevada, contribuindo para uma redução na quantidade de bezerros. Isso dá pouco espaço para uma retomada forte dos preços”, detalhou o CEO.

Já segundo dados da Agromove, até maio de 2024, a oferta de carne no mercado aumentou 19,4% em comparação ao mesmo período de 2023. As exportações cresceram 36,6%, se recuperando de um impacto negativo em 2023 devido a um caso de vaca louca. No mercado interno, a oferta aumentou 14,33%. Os números indicam uma maior disponibilidade de carne no Brasil, pressionando as cotações do boi gordo no primeiro semestre.

A maior oferta de carne impacta o mercado externo. A produção de carne bovina brasileira deve atingir 11,21 milhões de toneladas em 2024, com um aumento de 2,37% em relação a 2023, conforme informou o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O Brasil também deve exportar cerca de 2,93 milhões de toneladas, com um crescimento de 1,14% em relação ao ano anterior.

Fonte: Agromove, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Inverno: os cuidados em avicultura, aquicultura e bovinocultura de leite

Iniciativa do governo certifica sustentabilidade de produtos e serviços

Inspeção baseada em risco ganha destaque no Siavs 2024

Patrocinado
Patrocinado