in

SANTalks aborda aspectos epidemiológicos

2° módulo do webinar da SANPHAR acontece nesta quarta-feira, 18 de agosto, às 18h

Entender a cadeia de transmissão de potenciais agentes patogênicos e o risco de cada um deles é fundamental para planejar, implantar e monitorar um eficaz programa de biosseguridade nas granjas. Esse é o tema central do 2º módulo do webinar SANTalks #Biosecurity, no dia 18 de agosto, às 18h (horário de Brasília), no YouTube da SANPHAR, que terá a participação de dois dos mais importantes especialistas no assunto: Masaio Mizuno, Professora Titular Emérita de Epidemiologia das Doenças Infecciosas da FMVZ-USP, e Luis Gustavo Corbellini, professor licenciado da UFRGS e  CEO da Empresa Corb Science Solutions.

“Diagnósticos laboratoriais e clínicos são importantes porque levantam suspeita de ocorrência de doenças numa população, mas em seguida entra em ação o conhecimento de epidemiologia para controlar a doença, erradicá-la ou preveni-la. Nesse sentido temos que conhecer o agente etiológico do ponto de vista da epidemiologia. Ou seja, competitividade, resistência e a persistência estão acima de uma visão individual, que é a clínica. Quando planejamos um programa de biosseguridade, estamos trabalhando para o futuro, olhando e analisando números e indicadores. Com isso, conseguimos antecipar o diagnóstico de algo que está acontecendo no estabelecimento de produção, atuar e controlar imediatamente a doença antes que os prejuízos se instalem”, ressalta a Dra. Masaio Mizuno, que falará sobre “Epidemiologia: entendendo o agente para controlá-lo”.

Conhecimento, gerenciamento e monitoramento

A dra. Masaio destaca que o sucesso do diagnóstico requer conhecimento do profissional, gerenciamento e monitoramento do programa, vigilância de doenças. “Caso contrário, sempre estaremos administrando a doença e esse não é o papel do médico veterinário. Para ter um bom resultado, é preciso ir além. É fundamental ter um bom programa de gestão e educação sanitária. O veterinário ou o profissional responsável terá de treinar e ensinar ao produtor o que é importante corrigir. Afinal, esse é o nosso papel de educador, e assim todos têm sucesso”.

Médico veterinário graduado pela UFRGS, Luis Gustavo Corbellini destaca em sua palestra “Análise de riscos: Impacto da entrada de novas doenças. Ele comenta que, apesar de ter muito o que fazer, há conscientização da cadeia produtiva sobre a importância dos programas de biosseguridade. “É fundamental repassar conteúdo sobre biosseguridade para promover o aperfeiçoamento técnico da cadeia produtiva. Não há prevenção ou controle de doenças sem bom planejamento de comunicação de risco e gestão. Quando falo em risco, me refiro à probabilidade de ocorrência e danos causados por um agente físico, químico ou microbiológico, como uma epidemia, por exemplo. Até mesmo determinadas ações podem se constituir em risco; é o caso da não notificação de uma doença por falta de conhecimento ou medo, bem como a ausência de protocolo e gestão da biosseguridade nos estabelecimentos rurais”, detalha o especialista.

Tendências e conceitos da biosseguridade

A SANPHAR Saúde Animal realiza a série de eventos on-line SANTalks #Biosecurity com o objetivo de abordar as principais tendências e conceitos da biosseguridade na produção de suínos e aves e apresentá-los ao mercado de forma prática e objetiva. O ciclo de eventos conta com a participação de palestrantes renomados e envolve cinco módulos. A série teve início em 21 de julho e acontece até 17 novembro de 2021.

Confira o cronograma e temas abordados no SANTalks #Biosecurity:

Módulo 2: 18 de agosto

Aspectos epidemiológicos de biosseguridade

O entendimento da cadeia de transmissão de potenciais agentes patogênicos e o risco de cada um deles é fundamental para planejar, implantar e monitorar um programa de biosseguridade. 

Módulo 3: 22 de setembro

Desinfecção: entendemos o que estamos fazendo?

Qual é o nosso desafio sanitário? Conhecer o agente patogênico é chave para a utilização de ferramentas assertivas de limpeza e desinfecção. Conhecemos as diferentes formas de ação e critérios de escolha para o uso de desinfetantes?

Módulo 4: 13 de outubro

Biosseguridade além da granja: pontos críticos a se considerar

Como monitoramos nosso programa de biosseguridade? Que ferramentas temos à disposição? Qual a importância do fluxo de veículos e comportamento das pessoas para o sucesso de um programa de biosseguridade? Questionamentos importantes, porém, pouco explorados.

Módulo 5: 17 de novembro

O que temos de novas oportunidades em biosseguridade?

Desinfecção a seco: um novo conceito que chega para auxiliar na redução da pressão de infecção na produção de aves e suínos. Experiência global e nacional da utilização desta ferramenta.

As palestras têm tradução simultânea em espanhol.

As inscrições estão abertas e são limitadas. Não perca: https://conteudo.sanphar.net/santalks-modulo-2

Fonte: A.I.

LEIA TAMBÉM:

ACCS tem sua primeira mulher presidente

Embrapa lança plataforma on-line com foco na aquicultura

Tour DSM de Confinamento 2021 mostra resultados de 10 produtores

MAPA valida método de diagnóstico de PSA no Brasil