in ,

ROBOAGRO ajuda na aplicação da suinocultura de precisão

Aliada do produtor, tecnologia auxilia na gestão e manejo dentro das granjas

Por Gabriela Salazar e Valéria Campos

[email protected]/ [email protected]

A visão do consumidor final em relação à carne suína mudou consideravelmente nos últimos anos, saltando de “vilão” da nutrição para uma das proteínas mais consumidas no País. Essa transformação mostra a eficácia do trabalho desenvolvido pelo setor, por meio de entidades da classe, ao promover conhecimento à cerca da realidade da produção para o público. Cenário, entretanto, só foi possível, devido ao trabalho da própria indústria, que, a cada dia se dedica à entrega de qualidade e excelência, impossibilitando desabonos para a produção suinícola nacional.

Porteira à dentro, as granjas também passam por grandes mudanças. Com a demanda crescente e a necessidade de produzir de forma mais sustentável, o produtor tem à frente um desafio: remodelar a suinocultura. Mirando neste horizonte, a ROBOAGRO se pauta pela suinocultura de precisão e aposta na tecnologia como fonte de crescimento para a atividade.

O Diretor da ROBOAGRO, Giovani Molin, exemplifica esse processo comparando com a consolidação da agricultura de precisão. “Hoje não se fala mais em agricultura sem ser de precisão e a suinocultura está indo para o mesmo caminho”, pontua. O processo deve ser ainda mais acelerado. O que antes levava 15 anos para mudar, como salienta o profissional, com as novas tecnologias, se torna acessível de forma muito mais eficaz.

Em entrevista à revista feed&food, Molin conta que a ROBOAGRO nasceu com o propósito de levar qualidade de vida e melhores resultados financeiros para toda a suinocultura. “O projeto da robotização do setor veio com um apelo de controlar e obter os melhores resultados em todo o processo de distribuição da ração e manejo dos suínos”, relata.

Representando o maior custo da produção, a ração pode chegar a 80% dos gastos dentro da suinocultura. Diante disso, Molinenxergou uma oportunidade de melhoria por meio do uso da tecnologia. “O insumo, em muitos casos, estava sendo controlado sem a devida atenção e gestão, representando desperdícios e perdas ao produtor e, principalmente, para as integradoras, cooperativas e agroindústrias”.

A falta da ferramenta correta para o controle nutricional dos suínos foi a principal demanda avistada pelo profissional.“A carne suína é uma commodity e os principais insumos (milho e soja) também são. Ou seja, quem regula o preço é o mercado. O desafio do suinocultor é trabalhar “dentro da porteira” e fazer os melhores resultados de conversão alimentar e ganho de peso, além de outros índices de performance; para, com isso, obter bons resultados financeiros e se destacar na atividade. Nesse sentido, a ROBOAGRO está evoluindo dia a dia, trazendo a Suinocultura de Precisão para dentro das granjas”, complementa o diretor.

Tecnologia para todos

“Hoje há produtores de quase 90 anos utilizando o ROBOAGRO. Muitos deles não sabem mexer no celular, mas sabem utilizar o ROBOAGRO. Esse é um grande desafio na inserção das novas tecnologias. Elas precisam ser eficientes, porém amigáveis em sua operação/interação”, comenta Molin ao falar sobre o robô produzido pela empresa.

Rompendo a principal barreira da inserção tecnológica no setor, a ROBOAGRO se destaca pelo trabalho pensado em todas as pontas, pautado pela eficácia e aplicabilidade. De acordo com o Diretor da empresa, a companhia conta com profissionais na área de P&D dedicados a tornar os recursos cada vez mais acessíveis aos produtores.

Para isso, Molin salienta a importância da inteligência artificial, que tem se tornado um grande aliado. “Além de fazer, aos poucoso robô já começa a sugerir determinadas ações/práticas que gerarão bons resultados. As telas do robô são simples e de fácil acesso. Em poucos passos, o produtor consegue definir os horários que serão tratados os animais e quanto eles consumirão por dia. Tudo isso a partir de telas de fácil operação, que facilitam a personalização de cada baia para gerar os melhores resultados”, relata.

A empresa possui, ainda, uma central de atendimento que, de forma remota, por meio da conectividade, consegue dar o suporte e treinamento aos produtores de modo personalizado conforme as suas demandas.

Giovani Molin, da Roboagro (Foto: divulgação)

Robotização na prática

Praticidade, facilidade de operação, inteligência e precisão, assim, Giovani Molin resume a atuação do robô. Segundo o profissional, existem produtores que utilizam a ferramenta como forma de auxílio na atividade e outros que utilizam para obter os melhores resultados da sua integração.

Molin ressalta, ainda, o equipamento como um diferencial. “Diferente de outras soluções no mercado, o robô entrega quilos de ração para os animais e não volume de ração. É o único alimentador do mundo que entrega quilos de ração para os animais. Além disso, você ajusta e personaliza as demandas em cada baia, devido ao porte daqueles animais, podendo enquadrar de forma precisa a demanda de cada baia”.

Para ele, achegada do robô na suinocultura provoca a mesma revolução que houve quando os computadores adentraram em nossas vidas cotidianas. “Estamos levando nesse momento ocomputador para dentro das granjas’, exemplifica e completa: “Precisamos agir em tempo real, conforme os objetivos econômicos e de performance para cada momento. A suinocultura é dinâmica e precisamos ter as ferramentas na mão para agir! Costumamos dizer que os animais não sabem quanto está custando o milho e nem o quilo do suíno, quem sabe disso, somos nós, das agroindústrias, e, nesse sentido, não podemos tratar os animais de forma “à vontade”. Precisamos, a cada dia, agir de forma controlada, acelerando ou segurando o consumo de ração dosanimais conforme nossos objetivos”. 

Foto: divulgação

Gerando mudanças de ponta a ponta

A atuação do ROBOAGRO nas granjas é vista como um promotor de mudanças. As agroindústrias, segundo Molin, já estão adequando às granjas e os layouts para o novo padrão da suinocultura. “A ROBOAGRO ajudou as agroindústrias na captação de novos integrados. As soluções que tinham no mercado, muitas vezes, não agradavam os produtores e nem os resultados para as agroindústrias. Agora, nesse formato, os produtores e as agroindústrias estão contentes. Falando em contentes, até os animais se beneficiaram dessa tecnologia. Além de ração fresquinha, o robô proporciona a entrega da ração na dose correta, baia a baia, e tudo ao som de música clássica, que, comprovadamente, ajuda no bem-estar animal e por consequência na qualidade da carne. Já há agroindústrias colocando em seus produtos/cortes que a sua produção é feita com animais tratados por robôs com música clássica”, comenta.

Em relação ao feedback dos próprios suinocultores, o diretor pontua que a cada dia a equipe recebe diversos áudios, fotos e agradecimentos de todos os cantos do Brasil e América Latina.  Um dos cases de sucesso, apresentados pela companhia e que pode ser visualizado no site da empresa (www.roboagro.com.br), é o do produtor Valecir Rubert, morador de Toledo/PR e vencedor de uma premiação promovida pela unidade da BRF na região. O produtor utilizou em sua granja o Robô Alimentador de Suínos e conquistou o 1º lugar na categoria Sistema Vertical de Terminação do “Prêmio Integrado Destaque”.

“Faltariam páginas para descrever cada situação de alegria e de mudança de vida que vemos diariamente nas famílias dos suinocultores, desde questões de saúde a questões de sucessão familiar”, completa Molin.

Confira o vídeo:

Embrapa lança livro sobre mercado lácteo brasileiro

Atenta ao mercado produtivo, Ceva apresenta Novamune