in

Nutricionista destaca vazio sanitário na produção avícola

David Braite Toledo é zootecnista e nutricionista de aves da De Heus Brasil Nutrição Animal

A avicultura brasileira é um setor consolidado, sendo destaque tanto por seu volume de produção quanto por sua eficiência produtiva e pela qualidade do produto entregue aos consumidores de diversos países ao redor do mundo.

Na cadeia de produção avícola é reconhecida a importância de todos os elos do processo, porém é indiscutível que o monitoramento e controle do status sanitário dos planteis brasileiros estão intimamente atrelados ao sucesso alcançado pelo setor. Isso só foi possível graças à adoção de competentes medidas de biosseguridade e, dentre elas, o vazio sanitário é um manejo primordial na rotina da produção de aves.

O vazio sanitário compreende o intervalo entre a saída do último lote, limpeza e desinfecção das instalações e o alojamento do próximo lote a ser criado. Esse período é necessário para que a pressão de contaminação do ambiente por vírus, bactérias, protozoários e outros microrganismos seja reduzida a patamares que não causem prejuízos ao lote subsequente. Muitos desses microrganismos necessitam da presença da ave para completarem seu ciclo de vida e proliferarem. Portanto, nada melhor que a ausência total das aves no momento de limpeza e desinfeção do ambiente para limitar a disseminação desses possíveis agentes infectantes. Segue abaixo um quadro com o período de resistência de alguns microrganismos no meio ambiente natural:

Pesquisas realizadas em integrações americanas demonstraram que os resultados zootécnicos de lotes que tiveram vazio entre 15 e 21 dias foram superiores aos de lotes com intervalos de 1 a 7 dias. Vazios com período acima de 21 dias não proporcionaram respostas superiores (Agrolink: Aveword 04/07/2008). Sabe-se que o intervalo do vazio sanitário impacta diretamente o ciclo de produção e, dessa forma, é prudente associarmos a biosseguridade às questões econômicas. Assim, intervalos sanitários acima de 14 dias conciliam esses fatores, proporcionando segurança sanitária para produção e eficiência econômica do negócio.

Gostaria de chamar atenção sobre um ponto importante. Não devemos esperar os benefícios do vazio sanitário apenas considerando o efeito do período de desalojamento sobre a redução da contaminação. O período deste intervalo entre os lotes também é fundamental para colocar em prática manejos de limpeza, desinfecção, tratamento de cama e resíduos, além da manutenção preventiva e corretiva das instalações para o recebimento do próximo lote. Infelizmente o período de vazio sanitário não é um período de descanso para a equipe da granja, e sim um dos períodos cruciais no ciclo de produção das aves e que requer muito trabalho.

Limpeza e desinfecções dos aviários

Avaliando fatores de riscos para ocorrência de doenças em frangos de corte, Kaoud (2008) evidenciou que as falhas no procedimento de limpeza e desinfecção representavam 50% do risco de infecções, e que a incidência de infecções pode aumentar 2,5 vezes quando essas práticas são negligenciadas.

O processo de limpeza consiste na remoção física dos detritos acumulados nas instalações e equipamentos, enquanto a desinfecção é um conjunto de medidas adotadas com o objetivo de reduzir a contaminação por agentes infectantes através de processos de remoção física e/ou por meio de substâncias químicas desinfetantes. Nesse contexto, a limpeza mecânica é fundamental para limitar o contato dos animais com a matéria orgânica potencialmente contaminada, como também é essencial para a eficiência do processo de desinfecção química.

Segundo Grezzi (2006) devemos levar em conta os seguintes fatores para o sucesso do processo de desinfecção:

1.     Limpeza: os desinfetantes raramente funcionam bem com a presença excessiva de matéria orgânica;

2.     Concentração: sempre obedecer a concentração correta do produto utilizado devido eficácia comprovada em laboratório;

3.     Tempo de contato: todos os desinfetantes necessitam de tempo de exposição às superfícies para que funcionem. As recomendações de tempo variam de acordo com o produto e concentração utilizada. Lembrem-se: concentração e tempo estão intimamente ligados ao processo de desinfecção. Essa informação é relevante na definição dos produtos a serem utilizados em rodolúvios, pedilúvios e arco de desinfecção;

4.     Temperatura: a velocidade de desinfecção aumenta com a temperatura. Dentro das possibilidades, o emprego de água aquecida no processo pode elevar a eficiência da aplicação;

5.     pH: a maioria dos desinfetantes dependem de um pH adequado para que ajam com a máxima eficiência possível. Intervalos de limitação de pH entre 4,5 e 9 são os mais comuns;

6.     Presença de biofilme: esse item é indispensável, sobretudo nas limpezas das tubulações da linha de fornecimento de água. Biofilmes são comunidades de patógenos aglomerados dentro de uma matriz de polissacarídeos produzidas pelos próprios microrganismos, normalmente aderidas em superfície viva ou inerte. Eles são extremamente resistentes aos desinfetantes e devem ser removidos primariamente com auxílio de detergentes;

7.     Tipo do patógeno: diferentes microrganismos apresentam nível de susceptibilidade distintas aos desinfetantes. Esporos, vírus não envelopados e bactérias gram negativas são menos susceptíveis em geral;

8.     Outros: metodologia de aplicação, dose e compatibilidade das superfícies com os produtos são fatores interferentes.

No momento da escolha do desinfetante a ser utilizado, além do produto ser eficiente e com elevado espectro de ação, condizente com o tipo de aplicação e com boa relação custo-benefício, devemos nos atentar aos aspectos legais e à segurança de uso do produto, não pensando somente nas aves, mas também nas pessoas que o manipularão durante a sua aplicação.

Segue abaixo quadro com os principais produtos utilizados como desinfetantes e suas principais ações e características:

Fonte: De Heus.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

Manejo de inverno para frangos de corte é pauta levantada pela Cobb

BRF concentra vendas de pés de frango à China e Hong Kong