Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Milho segunda safra tem rentabilidade esperada de 44%

feedfood

À medida que a área de soja cresce 3,8% ao ano, o milho vem ganhando cada vez mais espaço. Ao longo das últimas sete safras, o Brasil incorporou 7 milhões de hectares na segunda safra com a cultura.

De acordo com o consultor da Cogo Inteligência em Agronegócio, Carlos Cogo, esse crescimento é um movimento natural, que, há 15 anos consecutivos, traz mais condições de margem de lucro ao produtor. Do ponto de vista agronômico, é bom, e recomendável, plantar a cultura após a soja, por quebrar o ciclo de pragas e otimizar o uso de defensivos e fertilizantes. 

Apesar do custo mais alto da história, o preço do milho no mercado segue mais firme que o da soja. A não ser que haja um acidente climático ou não se use tecnologia de ponta em sementes, fertilizantes e defensivos, o produtor deve ser beneficiado nesta segunda safra com uma rentabilidade estimada de 44%, ou seja uma média de R$ 4 mil por hectare, segundo Cogo. 

O consultor lembra da grande capacidade que o Brasil tem em elevar suas exportações. No mínimo, serão 40 milhões de toneladas em 2022. “Os EUA estão terminando a colheita agora, só vão ter uma grande safra ano que vem. A Ucrânia segue debilitada com a guerra, exportando menos. O maior comprador do mundo, a China, está propenso a enxergar no Brasil uma boa opção”, analisa. “Devemos manter o País abastecido para atender outros mercados e, inclusive, o chinês, que deve se tornar um grande comprador nosso”, acredita o consultor, que ressalta que somos um exportador confiável, que não parou suas atividades nem na pandemia. 

 Produtividade e crescimento 

“Com o plantio do milho verão é comum encontrar agricultores com uma produtividade de 10, 12 toneladas por hectare. Isso ainda não é possível alcançar em uma segunda safra sem que haja irrigação, mas é algo que vem crescendo”, afirma Cogo, que projeta um crescimento de 8,2% na área de milho segunda safra para o ano agrícola de 22/23. “Deve ser quase o dobro da área de expansão da soja, que deve ficar em 4,4%”. 

Ainda não há consenso do desfecho do La Niña e, portanto, do que o clima pode trazer para a agricultura brasileira nesse período. E há risco de estiagem na região Sul e parte do Mato Grosso do Sul. “Toda vez que há atraso no plantio de soja pode haver atraso na segunda safra de milho. Nada previsto, por enquanto. Mas se tiver área plantada mais tarde, maior risco de frio e geada. Mesmo assim, não vejo nenhum produtor querendo diminuir intenção de plantio para segunda safra. Pelo contrário, ele está decidido a aumentar a área e vai fazer isso”, analisa, ao pontuar que o clima, por enquanto, está favorável para todos. 

Quanto à produtividade, o consultor explica que ela é sempre projetada por conta das médias dos últimos anos e que a projeção de agora está em 5,7 toneladas por hectare, uma média de 96 sacas por hectare — há cerca de 10 anos esse índice era de 2 a 3 toneladas. “Ano passado tivemos 5,2 toneladas por hectare. Em ano de La Niña, chegamos em 3,8 toneladas. Seria esse o risco desse ano com La Niña, mas não podemos nos esquecer que, em 2022, tivemos La Niña e uma safra recorde. Ou seja, podemos ter uma grande segunda safra”, afirma. 

Fonte: A.I, adaptado pela equipe Feed&Food. 

LEIA TAMBÉM:

Indicador de Preços da Tilápia chega em nova região

Copa do mundo: 70% do frango consumido no Catar é brasileiro

Exportações brasileiras de milho seguem em ritmo intenso