Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
BOVINOCULTURA

Conteúdo

Iniciativa visa beneficiar pecuária por meio da agricultura

Objetivo do ZARC Pecuária é identificar as áreas com menor risco climático
feedfood
Foto: reprodução

Uma iniciativa que busca otimizar a produção agropecuária de forma sustentável foi anunciada pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA).

A recente aprovação do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) para a Pecuária foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) por meio da Portaria nº 8/2024, na última terça-feira (05). O zoneamento agrícola da pecuária entrará em vigor a partir de 1º de abril de 2024.

O objetivo do ZARC Pecuária é identificar as áreas com menor risco climático e definir as melhores regiões para produção de bovinos pastejando Capim-marandu no Brasil, em sistema de cultivo de sequeiro.

Em cada município, o zoneamento também define três indicadores de risco para diferentes classes de água disponíveis no solo e de taxa de lotação, visando reduzir as perdas de produção e obter produtividades mais elevadas.

Os indicadores de risco climático foram estimados a partir dos modelos: Produção Primária de Forragem e de Déficit de Forragem Cumulativo. Já a base de dados meteorológicos utilizada é composta por dados diários de precipitação, temperaturas máxima e mínima, radiação solar, umidade relativa e vento.

Foto: reprodução
A aprovação do ZARC está limitada para o Distrito Federal mais e 17 estados (Foto: reprodução)

Os resultados são gerados considerando um manejo agronômico adequado para o bom desenvolvimento, crescimento e produtividade da cultura, compatível com as condições de cada localidade. O que pode resultar em perdas graves de produtividade ou agravar perdas geradas por eventos meteorológicos adversos, são as falhas ou deficiências de manejo de diversos tipos, desde o manejo do pastejo e da fertilidade do solo até o manejo de pragas e doenças ou escolha de cultivares inadequados para o ambiente edafoclimático.

Contudo, se torna indispensável respeitar as recomendações técnicas de cultivo e uso do Capim-marandu; utilizar tecnologia de produção adequada para a condição edafoclimática; controlar efetivamente as plantas daninhas, pragas e doenças durante o cultivo; adotar práticas de manejo do pastejo e de manejo e conservação de solos.

A aprovação do ZARC está limitada para o Distrito Federal e mais 17 estados, entre eles os seguintes: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Bahia, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, devido a metodologia utilizada que abrange as regiões de Cerrado e Mata Atlântica, não podendo ser extrapolada para regiões do semiárido, amazônica e determinadas regiões subtropicais do Brasil.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

SBSA traz palestra sobre mercado de carnes

Operação compara peixe comercializado com informações do rótulo

El Salvador abre mercado para gelatina e colágeno brasileiros

Patrocinado
Patrocinado