in

Cultura de inverno bem-feita beneficia ações subsequentes

Diego Guterres é coordenador agronômico da Yara Brasil

dinheiro

Na região Sul do Brasil, os produtores rurais já deram início ao plantio das culturas de inverno, como trigo, cevada, aveia branca, canola e triticale. Esses cultivos reforçam a renda do agricultor e promovem melhorias significativas no sistema produtivo, pois permitem que o solo fique coberto e protegido durante este período de intensas chuvas. Consequentemente, a cultura de inverno bem-feita beneficia a cultura subsequente de verão e contribui para a construção ou manutenção de um solo fértil.

Mas, para que desempenhem esse papel fundamental na agricultura, as culturas de inverno precisam ser planejadas e preparadas com atenção. E a escolha de uma boa nutrição é um passo importante. Algumas soluções disponíveis no mercado são capazes de entregar maior produtividade de grãos e, ao mesmo tempo, também levam a uma maior produção de raiz e de palha. Quando o agricultor opta por fertilizantes à base de nitrato, por exemplo, que não perdem nitrogênio por volatilização de amônia como a ureia, além de reduzir diretamente a emissão de gases, está alcançando melhores resultados no negócio e armazenando mais carbono no solo para seu sistema produtivo.

E é aí que essas soluções nutricionais acentuam as vantagens do plantio direto. Elas aumentam produção de palha para cobertura do solo, que contribuem para maior infiltração e menor perda de água do solo no verão. Além disso, mais palha e mais raízes (e maior atividade do sistema radicular) promovem melhorias químicas (ciclagem de nutrientes), físicas (maior agregação do solo e maior resistência à compactação promovida pelas máquinas) e biológicas (favorecimento da atividade da micro e macrobiota do solo). O cultivo de inverno, em sua essência, também diversifica e enriquece a rotação de culturas. Essas práticas somadas ao mínimo revolvimento do solo, aprimoram todas as propriedades do solo, melhorando sua qualidade, sustentabilidade, otimizando o uso de insumos e potencializando os resultados da lavoura.

Em linha a essa tendência, o movimento de “Otimização das Culturas de Inverno”, liderado pelo presidente do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), ex-ministro da Agricultura, Francisco Turra, tem incentivado a atuação de produtores e organizações para ampliação do plantio dos grãos de inverno – trigo, cevada e triticale – nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Com base em dados da Farsul (Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul), a área a ser plantada com trigo e outras culturas de inverno em 2021 pode crescer de 900 mil hectares para 1,4 milhão de hectares no RS, alavancando o potencial produtivo da região, que faz apenas uma safra de grãos por ano em média, enquanto outros estados fazem até três.

Trata-se de um impacto direto e real ao negócio do produtor – por produzir mais uma safra durante o ano, e também por melhorar ainda mais os resultados de sua safra de verão, reduzindo custos e estabelecendo um sistema mais produtivo, seguro e sustentável -, além de trazer benefícios indiretos para a economia da região, e para a sustentabilidade de toda a cadeia da agroindústria.

Fonte: A.I.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

febre aftosa

SAA reitera prazo final de vacinação contra aftosa em SP

notebook

Congresso Brasileiro do Agronegócio abre inscrições