in

Contratação do crédito rural apresenta nova alta

Início do Plano Safra 2020/2021 obteve alta de 21%

O início do Plano Safra 2020/2021 foi marcado pela alta das contratações, de acordo com o balanço divulgado pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a elevação foi de 21%, avaliando o período de julho a outubro.

O valor total da contratação em 2020 foi de R$ 92,63 bilhões. Os médios produtores – Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor (Pronamp) – contrataram R$ 12,78 bilhões e os agricultores familiares – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) – pegaram financiamento de R$ R$ 15,32 bilhões.

Segundo o diretor do Departamento de Crédito e Informação do MAPA, Wilson Vaz de Araújo, o continuado aumento da demanda de crédito rural, de maneira especial para investimentos, apesar dos efeitos decorrentes da pandemia do Covid-19, está relacionado ao desempenho da produção de grãos estimada em 268 milhões de toneladas para atual safra.

“O desempenho favorável do crédito rural para financiar a atividade agropecuária, florestal e pesqueira é resultado do empreendedorismo do produtor rural e de seu elevado nível de confiança e de resposta aos estímulos oficiais e de mercado”, salienta o diretor.

Entre os dados divulgados pela Pasta estão os financiamentos de custeio, que atingiram R$ 52,42 bilhões registraram um aumento de 16%, sendo que as contratações do Pronamp ficaram em R$ 11,56 bilhões (+8%) e a do Pronaf alcançou R$ 8,27 bilhões (+17%). As contratações de investimentos totalizaram R$ 26,48 bilhões. Os médios produtores participaram com R$ 1,22 bilhão (+15%) e de R$ 6 bilhões (+18%) os agricultores familiares. Em relação às finalidades industrialização e comercialização, as contratações se situaram, respectivamente, em R$ 5,74 bilhões, aumento de 5%, e R$ 7,98 bilhões, redução de 2%.

A principal fonte dos recursos contratados foi a Poupança Rural Controlada, que se situou em R$ 32,36 bilhões e respondeu por 35% do total dos financiamentos realizados, seguida pelos Recursos Obrigatórios, oriundos dos depósitos à vista, que somaram R$ 19,71 bilhões, cuja participação foi de 21%.

Os financiamentos realizados com recursos da fonte LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) alcançaram R$ 9,58 bilhões, o equivalente a 10% do total da contratações de crédito rural, sem a inclusão das aquisições de Cédulas de Produto Rural (CPR’s).

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe feed&food.

Como mitigar os impactos das DRB?

Alta nas exportações reduz disponibilidade interna