in

Com baixa liquidez, preços da carne suína recuam

Cenário é acompanhado desde o início do mês de maio

SUÍNO

Em contrapartida à bovinocultura, liquidez interna e externa da carne suína se encontra em baixa. Neste cenário, como analisa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, preços recuaram.

De acordo com o Cepea, as vendas da proteína estão desaquecidas no mercado doméstico desde o início do mês. “Isso pressiona as cotações de cortes e carcaças e reduz a demanda da indústria por novos lotes de animais. As exportações da proteína suína, por sua vez, tiveram forte recuo na segunda semana de maio, reforçando o cenário de baixa liquidez”, explica a instituição.

Ainda para compreender melhor o cenário, como também aponta o relatório parcial da Secex, foram exportadas 3 mil toneladas/dia de carne suína fresca de 10 a 14 de maio, baixa de 47,8% frente à média de 5,7 mil t/dia verificada na primeira semana do mês.

“No mercado do suíno vivo, a preocupação de produtores com os insumos nutricionais, principalmente o milho, tem pressionado os valores. O receio de novas elevações nas cotações do cereal e a dificuldade de aquisição no mercado spot faz com que suinocultores não consigam segurar animais na granja, ofertando-os a valores reduzidos para escoar a produção”, finaliza o Centro de Estudos.

Fonte: Cepea, adaptado pela equipe feedfood.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

Exportações de carne bovina se mantêm acima de 100 mil tol

Vetanco inova em conectividade ao apresentar podcast