in

Cobb destaca uso de novas tecnologias na criação de matrizes

Especialistas da empresa defendem desenvolvimento tecnológico da produção de aves

Medição e precisão ganham importância cada vez maior na avicultura, uma atividade desafiadora na qual centavos podem fazer uma diferença enorme ao longo do ano. Em cenário de pressão nos custos, o uso de novas tecnologias na criação de matrizes pesadas pode ser um aliado estratégico para o produtor, defendeu o médico veterinário e especialista em Frango de Corte e Ambiência da Cobb-Vantress na América do Sul, José Luís Januário, em webinar realizado pela empresa sobre Novas Tecnologias na Criação de Matrizes para profissionais da Seara. “As novas tecnologias virão para facilitar a medição, a precisão dos equipamentos, o monitoramento remoto das granjas e, sobretudo, o bem-estar animal”.

Durante o evento virtual, o especialista de Matrizes da Cobb-Vantress na Europa, Paul Welten, mostrou tecnologias digitais que já estão contribuindo com a mensuração de parâmetros de controle de granjas de matrizes de corte em países da União Europeia, como equipamentos para medir o peso das aves, fazer monitoramento remoto das granjas, medir a iluminação dos galpões, além de várias dicas e orientações de equipamentos, como comedouros, bebedouros e ninhos como foco principal. Logo depois, Januário explorou a realidade da avicultura na América do Sul com orientações de dimensionamento e construções de granjas. “As granjas serão, cada vez mais, dimensionadas e planejadas para o bem-estar das aves”.

Novas tecnologias

Ninho automático, esteiras de transporte de ovos e embandejamento automático nas granjas. Estas são algumas das novas tecnologias que mais devem crescer no mercado brasileiro, acredita o médico veterinário gerente Sênior e Especialista em Incubação da Cobb-Vantress no Brasil, Guilherme Seelent. “São equipamentos com grande impacto na rentabilidade da atividade, na produtividade e que também possibilita um uso mais adequado da mão de obra, um dos desafios do setor”.

Na comparação com os países europeus, ele afirma que a produção de matrizes brasileiras tem menos uso destas tecnologias. “Essa diferença acontece em função da capacidade de investimento do produtor europeu e também de uma escassez maior de mão de obra naquela região, o que aumenta a urgência pela automação”, ressaltou o executivo.

Ele salienta ainda que, apesar de o processo de automação estar mais avançado em países europeus, a produção brasileira tem um nível muito bom de tecnologia. “A larga maioria destas tecnologias inovadoras está disponível aqui e temos novos projetos modernos em construção. Elas vêm para ficar e a gente vai ter que aprender a trabalhar com elas porque ajudam na rentabilidade e na produtividade do negócio com seus bons indicadores produtivos”.

Ele reforça a importância destas tecnologias na biosseguridade da produção avícola, já que menor uso de mão de obra implica uma menor circulação de pessoas na propriedade e lembra da agilidade no avanço tecnológico da avicultura brasileira. “Hoje já vemos um nível grande de automação, com ambientes controlados na comparação com anos atrás. É um avanço tecnológico expressivo no setor e que deve continuar crescendo em ritmo acelerado nos próximos anos para capturar o máximo de rentabilidade”, disse Seelent.

Januário destaca que, mesmo sabendo e vendo os custos elevados de manutenção e também construtivos, as granjas de matrizes precisam estar bem adaptadas. “Com mais e melhores equipamentos, mínimos que sejam, como cortina bem vedada, ventiladores e nebulizadores, estruturas de biossegurança e equipamentos internos mais eficientes. Como também, agora, com os aviários climatizados e equipados corretamente. Estas tecnologias precisam ser compreendidas e dominadas. E sabemos que nós, brasileiros e latinos, estamos sim preparados para tudo isto. Que venham todas as boas sugestões de melhorias na precisão de criação de matrizes e frangos de corte”.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

avicultura

“Avicultura, Recalculando…” será tema da 38ª Conferência FACTA

aquicultura

Enzimas ampliam rentabilidade na aquicultura