in

Brasil pode ampliar potencial de agricultura irrigada

Ministra Tereza Cristina defendeu a prática durante evento promovido pela CNA

A expansão da agricultura irrigada foi debatida durante o seminário “Irrigar é Alimentar”, realizado nesta terça-feira (15) pelo Sistema CNA/Senar e os Ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Regional. A Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, ressaltou que o tema precisa ser visto como uma ferramenta estratégica para o aumento da produtividade no Brasil.

A gestora da Pasta destacou ainda que o Brasil tem apenas 3% de sua produção agrícola irrigada, enquanto a média mundial é de 20%. 

“Precisamos desenvolver uma estratégia para explorarmos melhor esses recursos. Expandir a nossa agricultura irrigada trará vários benefícios para o produtor rural e para a sociedade brasileira: aumento da produtividade e da renda do produtor, geração de empregos, fortalecimento das cadeias produtivas, controle da inflação, ampliação das exportações, aumento do PIB e várias outras consequências positivas em cadeia”, disse a ministra. 

Agricultura irrigada x preservação ambiental

Tereza Cristina destacou que a ampliação da área irrigada no Brasil não compete com a preservação ambiental ou com outras atividades sociais e produtivas, e citou um estudo da Esalq que aponta que o país pode aumentar a área irrigada para 55 milhões de hectares, utilizando áreas degradadas ou de baixa produtividade. 

O setor quer tornar o dia 15 de junho o Dia Nacional da Agricultura Irrigada, para dar maior visibilidade ao tema e criar oportunidades de debate com a sociedade sobre segurança alimentar, econômica e ambiental do Brasil. 

Produtividade e segurança alimentar 

Com uma produtividade de até três vezes maior do que áreas de sequeiro, a produção irrigada apresenta vantagens como o aumento na oferta e na regularidade de alimentos, melhoria da qualidade dos produtos, atenuação dos impactos da variabilidade climática, redução de custos unitários. 

A irrigação contribui para a segurança alimentar e nutricional da população brasileira, sendo uma técnica utilizada no cultivo de alimentos típicos da dieta nacional como arroz, feijão, legumes, frutas e verduras. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) é um dos condutores da Política Nacional de Irrigação e trabalha para o aumento de áreas irrigadas trazendo resiliência ao produtor rural com a conservação da água e do solo. Até o ano de 2050, o mundo irá demandar o aumento de alimentos na base de 60% e de água, em 40%, segundo a FAO. 

“Com certeza faltava este marco para demonstrar a importância da irrigação para toda a sociedade, o que promove a segurança alimentar, econômica e ambiental do Brasil. Temos o potencial de avançar a produção irrigada em 55 milhões de hectares”, declarou o coordenação-Geral de Irrigação e Drenagem do Mapa, Frederico Cintra, ao destacar programas Pronasolos, Águas do Agro e o Plano ABC. 

Irrigação

Potencial brasileiro

O Brasil totaliza 8,2 milhões de hectares equipados para irrigação, sendo 64,5% (5,3 milhões de hectares) com água de mananciais e 35,5% (2,9 milhões de ha) fertirrigados com água de reuso. A agricultura irrigada apresentou crescimento nas últimas décadas. Entre 2012 e 2019, houve intensificação da atividade com um maior aporte de crédito e investimentos privados, resultando em um crescimento da ordem de 4%. Nesse período foram incorporados cerca de 216 mil hectares irrigados. 

“O levantamento da 2ª edição do Atlas da Irrigação mostra a importância da atividade tanto para a sociedade quanto para a economia do Brasil. Em 2019, o valor da produção irrigada superou a marca de R$ 55 bilhões”, declarou Thiago Fontenelle, da Agência Nacional de Águas (ANA). 

Irrigar é avançar

“A irrigação é um avanço para nossas tecnologias especialmente em uma fase em que as mudanças climáticas têm afetado a produtividade no campo. Temos que aproveitar essa vantagem competitiva brasileira como uma atividade não para uma, mas para 2,5 a três safras. Nossa ciência está trabalhando rapidamente para aumentar a capacidade e produtividade das espécies que estamos plantando. O mundo espera que tenhamos alimentos de qualidade, com preços competitivos”, disse o ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli, indicado ao Prêmio Nobel da Paz. 

Paolinelli esteve entre participantes do evento (Fot: reprodução)

Rede Nacional de Irrigantes

Durante o evento, o Pesquisador da Embrapa Lineu Rodrigues apresentou a Rede Nacional de Irrigantes (RNAI), que tem o objetivo de reunir os irrigantes do Brasil para discutir a agricultura irrigada de forma estratégica e apresentar a agricultura irrigada como um vetor para o desenvolvimento da segurança alimentar, econômica e ambiental do Brasil. A Rede é composta de 58 membros representantes de associações de irrigantes, de cinco polos de irrigação no Brasil e de nichos da agricultura irrigada. 

Também participaram do evento o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, o ministro do Desenvolvimento, Rogério Marinho, e o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Sérgio Souza.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Contínua valorização do milho afeta pecuaristas

Ourofino abre inscrições para programa de estágio

SP realiza Fórum sobre retirada da vacinação contra Febre Aftosa

mascara

Campanha da ABPA foca nos cuidados contra a Covid-19 fora das agroindústrias

Websérie “Coccidiose de Trás Pra Frente” conta com novo episódio