in

Boas práticas garantem reprodução de suínos

Vaccinar destaca como técnicas de manejo e nutrição são essenciais para ação

Foto: reprodução

A cada ano, o Brasil ganha força como fornecedor de carne suína em todo o mundo. De janeiro a novembro deste ano, o montante exportado foi de 1,047 milhão de toneladas, crescimento de 11,29% em relação ao mesmo intervalo de 2020. Na comparação entre os 11 primeiros meses, o saldo da receita teve expansão de 17,8%, para US$ 2,449 bilhões. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) e foram compilados pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Diante do bom cenário para a atividade, é importante investir na nutrição e técnicas de manejo. E uma das técnicas mais consolidadas na reprodução de suínos é a inseminação artificial. “Uma vez que permite o uso de sêmen de machos geneticamente superiores, ela contribui para aumentar o valor genético dos rebanhos e reduzir os custos com a manutenção de machos reprodutores na criação”, destaca o Gerente de Nutrição Suínos da Vaccinar, Lisandro Haupenthal.

Após a fecundação, é preciso adotar uma série de cuidados para garantir o bem-estar das matrizes. Mantê-las em um ambiente climatizado e com pisos de qualidade e resistentes são algumas recomendações.

Outra dica é acondicionar as leitoas em locais tranquilos e silenciosos para que não sofram nenhum estresse desnecessário durante a gestação, em especial, nos 30 dias após a fecundação, considerado um dos períodos mais críticos.

O zelo com a higiene e o monitoramento de parasitoses também são indispensáveis. Adotar protocolos para controle de endo e ectoparasitas são indicados, sempre com a orientação do médico veterinário.

Atenção à nutrição

Assim como o ambiente, a nutrição adequada no período de pré-parto faz toda a diferença, pois contribui para o nascimento de leitões sadios e de alto peso.  Tanto é que, nesta fase, o mais indicado é usar rações ricas em fibras, vitaminas, sais minerais bem como proteínas de boa qualidade para fornecimento de todos os aminoácidos essenciais para a formação do feto. 

Mas tão importante quanto suprir as demandas nutricionais das porcas é controlar o ganho de peso. “Esse fator prejudica a sua produção de leite e dificulta o parto e o ciclo produtivo como um todo. Daí a importância da avaliação nutricional considerar o estado (escore) corporal da porca no momento da cobertura”, ensina a Especialista em Nutrição de Suínos da Vaccinar Kariny, Fonseca da Silva.

Todos esses cuidados auxiliar a garantir uma melhor taxa de partos; prolificidade; maior número de animais ao parto e maior longevidade da matriz. Tudo isso, resultando num maior retorno econômico da atividade.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Preços dos ovos apresentam recuo em São Paulo

Médico veterinário alerta sobre mastites

Palestra da JINC aborda carne cultivada

Preço dos ovos

Exportação paulista de ovos apresenta novo salto

grafico crescente

Produção brasileira de rações estima crescimento