in

Tecnologia e gestão são caminhos para estar entre os melhores da suinocultura

Profissionais falam sobre a disrupção do mercado suinícola e a construção da Granja do Futuro

Gabriela Salazar,

[email protected]

A busca por maior rentabilidade na produção de proteína animal vai de encontro com a crescente demanda global. Produtores se vêem diante da missão de produzir mais e de maneira mais eficiente. Com isso, atividades como a suinocultura se mostram cada vez mais atentas as tendências que tornam possível ampliar de forma considerável a produção, priorizando qualidade e bem-estar animal.

A prova disso pode ser observada pelas métricas, que fazem do Melhores da Suinocultura, promovido pela Agriness, um dos mais tradicionais eventos do setor no País. Prestes a chegar a sua 14ª edição, o campeonato concedeu no último ano o primeiro lugar na categoria “301 a 500 matrizes” para a Fazenda Cinco Estrelas, que chegou ao marco de 39,39 desmamados/fêmea/ano (DFA).  

A Médica Veterinária, Mestre em Ciências Veterinárias, Mirian de Almeida Johann, é Líder do Projeto Melhores da Suinocultura na Agriness e explica que, para fins de premiação, o indicador é o DFA, sendo condecoradas as granjas com maior valor acumulado no final do período de apuração de dados de cada edição (janeiro a dezembro).

“No Melhores da Suinocultura nós tivemos que eleger um indicador que representasse a produtividade das granjas, fosse auditável e permitisse a comparação entre elas, este indicador foi o DFA”, pontua.

Mirian de Almeida Johann é Médica Veterinária, Mestre em Ciências Veterinárias e Líder do Projeto Melhores da Suinocultura na Agriness (foto: reprodução)

É possível crescer mais

O Melhores da Suinocultura teve início em 2008, com a participação de 119 granjas. Em 2020, o número chegou a 2.080 granjas participantes de cerca de 10 países,  somando um total de mais de 1,7 milhões de matrizes em toda a América Latina. Só no Brasil foram 1690 granjas e mais de 1,4 milhões de matrizes. “Muito deste sucesso deve-se ao fato de que a existência de um referencial de produtividade mostra para as granjas até onde é possível chegar. Isso instiga as granjas a buscarem a melhoria contínua dos seus indicadores”, diz Mirian, que atua no projeto desde 2010.

A profissional comenta que no início pensava-se que era impossível alcançar os 30 DFA. “Ano a ano os resultados continuam evoluindo. Isso nos faz acreditar que a tendência é que a evolução de produtividade continue acontecendo ainda por vários anos. Entretanto cada produtor deve avaliar dentro do seu negócio qual é a produtividade ideal para garantir uma melhor rentabilidade”, enfatiza, deixando claro para os produtos que o número não é igual para todos, “existem particularidades”.

Para Mirian, o importante é que o profissional consiga focar na rentabilidade e encontre o seu máximo potencial produtivo. “A cada ano as granjas buscam fazer mais com os mesmos recursos e isso impulsiona uma melhoria contínua de produtividade”, complementa.

Qual segredo está por trás dos ”melhores”?

Não existe fórmulas mágicas para se obter resultados, mas, a experiência dos suinocultores que estão na lida diária apontam para estratégias fundamentais para a expansão dos negócios. Buscando esse múltiplo comum, a Agriness estuda as granjas ganhadoras do Melhores da Suinocultura para identificar o “segredo” delas.

“O que descobrimos é que existe um diferencial nessas granjas que se destacam. O que faz destas granjas referência em produtividade são três fatores”, revela Mirian.

  • Trabalhar com informações confiáveis e de qualidade: Para fazer boas análises é preciso base e somente por meio dos dados é possível tomar as melhores decisões.
  • Granjas crescem com pessoas engajadas: Este ponto vale para qualquer atuação dentro da granja. É importante que os envolvidos conheçam os objetivos da granja e que saibam usar a informação para dar foco e assim desempenharem melhor as suas tarefas.
  • Planejamento e método de gestão: É preciso avaliar constantemente a evolução dos seus resultados.
Melhores da Suinocultura chega este ano a sua 14º edição (Foto: reprodução)

“Esse é o verdadeiro segredo das granjas de alta produtividade”, salienta a profissional após apontar os fatores em comum observado entre os nomes que circulam entre os Melhores da Suinocultura que completa: “Em termos de produtividade para alcançar um melhor DFA, existem 4 pontos-chave que impulsionam a granja a alcançar melhores resultados. São eles: DNP (Dias Não Produtivos), Nascidos Vivos, Mortalidade na maternidade e Alvo de cobertura. Estes pontos-chaves não podem ser esquecidos na avaliação do desempenho da granja.Entretanto, ao avaliar os resultados de uma grande de uma forma mais ampla,é preciso lembrar que uma granja é – antes de tudo – um negócio, e, como tal, precisa alcançar determinada lucratividade para que continue existindo. Neste sentido, cada produtor precisa olhar da porteira para dentro para identificar como aumentar suas receitas (melhorando a sua produtividade) e reduzir os seus custo”.

Além disso, Mirian enfatiza que a melhoria ano após ano só é alcançada quando a granja começa a usar o benchmarking a seu favor. Para isso, ela dá mais algumas dicas:

  • Defina as metas que usará como referência (olhe para os melhores)
  • Compare os resultados da sua granja com os de referência
  • Analise e aprenda como os melhores fazem para atingir os seus resultados
  • Adapte as melhores práticas para a sua realidade e implante processos de melhoria
  • Acompanhe a evolução – se e quanto o negócio está se afastando ou não dos indicadores de referência
  • Torne isso uma rotina sistemática, ou seja, insira o benchmarking na agenda da granja.

Gerir é mais do que mensurar

Mesmo o comparativo servindo como base para direcionar o produtor, é imprescindível, como pontuado pela Mestre em Ciências Veterinárias, observar as particularidades do seu negócio. Por isso, conhecer as diversas variáveis é essencial e a tecnologia pode se tornar uma grande aliada.

“Sem dúvida as ferramentas de gestão tem grande impacto na sustentabilidade econômica da atividade, pois trazem a visão global necessária para as tomadas de decisão que vão impactar os resultados da granja”, explica José Roberto Simeone, Gerente de Vendas da Nedap para América Latina.

A Nedap Livestock Management disponibiliza aos produtores de suínos e bovinos de leite, tecnologias facilitadoras da gestão da produção animal que possuem eficiência comprovadas em todo o mundo. O gestor explica que por meio dos sensores de alta precisão é possível estabelecer uma  conexão direta com os animais 24 horas por dia.

O gestor salienta que  isso só é possível devido à automação e a individualização do animal. “Esse é um divisor de águas, pois deixamos de observar o lote, a média, o galpão para suportar em detalhe o indivíduo. Apesar do excelente trabalho de todas as indústrias envolvidas na cadeia suinícola para alcançar a homogeneidade desejada em cada lote, seja de fêmeas ou terminação, cada animal é diferente e possui distintos requerimentos. Principalmente no fornecimento da quantidade de ração por animal e na tentativa de descobrir o peso real dos animais que são tarefas diárias de qualquer granja”, elucida Simeone.

José Simeone possui 15 anos de experiência no segmento (Foto: reprodução)

Recordes exigem pensamento disruptivo

Atuando no mercado de tecnologia voltada para a produção, o gestor explica que a possibilidade real de mudar um padrão e promover máxima eficiência com uma garantia de retorno econômico auxilia no processo de transformação do comportamento do suinocultor diante da adesão tecnológica.

“A escala de produção das unidades produtivas de suínos estão aumentando constantemente. Existe uma tendência marcante de concentração de atividades em sítios distintos com atividades similares como UPL e terminação. Com isso os processos se mecanizam e os números aumentem de forma exponencial em consequência da busca por maior eficiência e melhores resultados na atividade”.

Nesse contexto, Simeone ressalta ainda que  a capacidade de monitoramento dos animais acaba reduzida  pelas vias comuns disponíveis e as perdas no processo passam a ser maiores, justamente pela impossibilidade do olhar humano obter uma definição clara de qual ação a ser posta em prática para corrigir uma situação indesejada.

“O tempo de reação a uma determinada anomalia passa a ser determinante no resultado. A automação e a instalação de sensores que coletem dados e sejam capazes de executar tarefas instantâneas sem dúvida é uma vantagem competitiva na tomada de decisão mais assertiva. Imagine que com o sistema SowSense de alimentação na gestação de matrizes é possível corrigir curvas de alimentação de acordo com o peso real de cada animal”, reflete.

Sistema de monitoramento da Nedap (Foto: divulgação)

Mais próximos do futuro

“A procura por sistemas de fácil implementação como o Compact Feeder® para maternidade é o mais frequente. Os produtores não querem fazer grandes mudanças estruturais ou adaptações as granjas já existentes. Por isso esse sistema tem tido grande sucesso por trazer retorno sobre o investimento mais rápido e ser uma espécie e porta de entrada para a implementar a inovação”, pondera.  

O gestor salienta o fato do sistema oferecer a possibilidade de instalação sem fios do Activator®, além de fornecer a alimentação a vontade mantém o efeito aperitivo, somado a adição de um importante sensor de coleta de dados do animal. Com isso, o sistema passa a analisar esses dados e enviar alertas específicos de inatividade e expectativa de consumo de ração.

Outro fator importante ressaltando pelo profissional é que todo o conteúdo registrado pelo Activator® fica armazenado de forma segura na nuvem podendo ser compartilhado com outros atores da indústria que desejarem analisar tal informação.

Mais voltado para a indústria, outro sistema líder global de mercado e bastante procurado por empresas que possuem sua própria nutrição ou empresas especializadas em genética é o Nedap ProSense. “Este oferece uma visão clara do desempenho zootécnico de cada animal usando Nedap Pig Performance Testing (PPT), que mede e registra de forma precisa e confiável por indicadores de desempenho, incluindo pesos individuais, alimentação e  taxa de conversão alimentar”, explica.

Segundo Simeone, os dados fornecidos pelo sistema são imediatamente disponibilizados para revisão e contam com um recurso exclusivo que permite ao produtor classificar os suínos individualmente. Além disso, o sistema também pode coletar dados para testes com ração, seleção genética ou pesquisa nutricional em profundidade. Os dados coletados são usados para revisar a qualidade da dieta ou estudar os efeitos de diferentes composições e aditivos.

Sistema de monitoramento é acessível e de fácil utilização (Foto: divulgação)

Aliados por uma suinocultura mais rentável

Assim como o Melhores da Suinocultura engaja por meio da oportunidade do suinocultor mensurar sua produtividade em relação a milhares de outras granjas. A Nedap, por meio de seus parceiros de negócios, Ordemilk Suinocultura e Novagri do Brasil, disponibiliza não somente a comercialização e instalação das tecnologias, como também promovendo suporte técnico aos produtores.

“Estamos construindo novas alianças estratégicas para na disseminação de informação com especialistas do setor que possuem amplo conhecimento e experiência prática na incorporação de tecnologia em produção de suínos. Contamos com plataformas modernas e interativas de e-learning, serviço helpdesk remoto on-line, atualizações e capacitações periódicas da equipe técnica de nossos parceiros de negócio em todo o mundo”, completa Simeone.

Conheça também o Canal da Nedap no Youtube, clicando aqui.

Confira a galeria de imagens com mais soluções fornecidas pela Nedap:

Neste 24 de julho, data em que se celebra o Dia do Suinocultor, nós da feed&food, com o apoio da Nedap, agradecemos a todos que auxiliam na construção de uma suinocultura de excelência (Arte: feed&food)

Estudo apresenta sistema para avaliar manejo de tilápias

CARGILL

BI celebra o “Dia do Suinocultor” com novo direcionamento