in

Mark Lyons aborda foco na pegada ambiental

CEO da Alltech debateu a temática durante sua apresentação no Alltech ONE

“Para enfrentar os grandes desafios que enfrentamos hoje, precisamos ter uma mentalidade de legado”, afirmou Dr. Mark Lyons, presidente e CEO da Alltech, no Alltech ONE Simpósio de Ideias (ONE) em 24 de junho. “Precisamos olhar para o passado para termos perspectiva e para o aprendizado.”

Com isso em mente, Dr. Lyons levou o público de volta ao momento histórico de quando os humanos começaram a chegar na América do Norte. As pessoas trouxeram e domesticaram animais, começaram a usar recursos naturais para a produção de alimentos e exigiram mais terra.

À medida que esse crescimento acontecia, as economias e continentes globais se tornaram mais conectados através de ferrovias, rodovias e rotas marítimas. O carbono tornou-se a principal maneira de alimentar a economia em crescimento e o planeta em crescimento. Consequentemente, as emissões de carbono aumentaram.

A agricultura estava crescendo. Os avanços científicos estavam liderando o caminho para um sistema alimentar mais eficiente e criaram a oportunidade para o surgimento de marcas e empresas que, hoje, chamamos de indústria alimentícia.

A necessidade de produtividade agrícola, bem como a eficiência na produção de alimentos, levou a inovações agrícolas e a uma atitude sobre as emissões de carbono produzidas pela agricultura. Em termos de produção de carne, leite e ovos, os agricultores começaram a fazer melhorias, respondendo às influências e demandas do mercado.

Desde meados da década de 1800, a quantidade de combustíveis fósseis que estão sendo usados aumentou 20.000%, enquanto a população humana aumentou 1.329%, e os animais utilizados para alimentar essa população crescente aumentou muito menos, em 524%. De fato, até hoje, 50% de carne bovina é produzida a mais nos Estados Unidos do que estava sendo produzida em 1960 — mas esse aumento na produção está sendo realizado com um terço do número de animais que era necessário há 60 anos.

Embora os avanços científicos tenham levado a uma melhor compreensão do nosso meio ambiente, não houve um acordo sobre os culpados pelas mudanças climáticas. Esta história não é exclusiva da América do Norte.

A mudança está acontecendo

“Uma coisa que está se tornando cristalina é que uma mudança começou, e ela vai continuar”, disse o Dr. Lyons. “Na verdade, vimos que a pandemia realmente acelerou essa mudança e a aceitação das mudanças que estavam acontecendo ao nosso redor”.

“Acreditamos que todo desafio pode ser uma oportunidade — e, de fato, um presente”, continuou Dr. Lyons. “Tudo o que acreditamos pode se tornar realidade, mas você não fará as coisas de forma diferente a menos que veja as coisas de forma diferente.”

Vejamos algumas das inovações que estão sendo sonhadas e implementadas em todo o mundo:

  1. Purificadores de ar gigantes: Nove em cada 10 pessoas em todo o mundo respiram ar poluído, e essa poluição é responsável por quase 9 milhões de mortes por ano. Alguns engenheiros estão pensando em como podemos criar purificadores de ar exteriores gigantes que também são peças de arte. Talvez a verdadeira beleza seja ar limpo e energia limpa.
  2. Resfriar o planeta filtrando o excesso de dióxido de carbono do ar em escala industrial: purificadores de ar gigantes no Texas — que poderiam ser uma visão comum até 2050 — usam uma química simples para capturar CO2 e bombeá-lo em poços de petróleo, que foram perfurados secos no século passado. Alguns dos gases de efeito estufa que estão aquecendo nosso planeta poderiam ser removidos com esses tipos de inovações, potencialmente contribuindo para um efeito estufa reduzido.
  3. Geradores de eletricidade usando calor do manto da Terra: Isso está sendo feito em pequena escala no Quênia, mas tem grandes implicações futuras para não emitir gases de efeito estufa no ar.
  4. Utilizando plástico reciclado como substituição de betume na construção de estradas: Entre os combustíveis fósseis que já foram retirados do solo, muitos deles foram convertidos em plásticos, que levam mais de 1.000 anos para se biodegradar. Alguns desses plásticos podem ser reciclados e utilizados na construção de estradas, criando um passeio mais suave, menos buracos e uma vida útil mais longa.
  5. Estradas solares: Tecnologias como gorilla glass podem ser usadas para criar estradas solares, onde painéis solares são aplicados no asfalto em estradas, acostamentos e calçadas. Se essas estradas cobrissem os Estados Unidos inteiros, produziriam três vezes mais eletricidade que precisamos hoje.
  6. Extintor de incêndio sônico: Como resultado das mudanças climáticas, temos visto cada vez mais incêndios florestais. Para combater esse desafio, os cientistas estão trabalhando em um extintor de incêndio sônico, que pode ser instalado em um drone e funciona usando ondas sonoras para separar o oxigênio da fonte de combustível.
  7. Hidrogênio como combustível de aviação: Desde 1990, as emissões de dióxido de carbono por voo de passageiros caíram mais de 50%. No entanto, a indústria da aviação também está avaliando novas fontes de combustível, com o hidrogênio potencialmente servindo como um novo combustível de aviação limpo. Um avião de hidrogênio em escala comercial da Airbus já voou no Reino Unido.
  8. Uma “asa mista” que serve tanto como compartimento de passageiros quanto como asa para aeronaves: com a totalidade de um avião gerando sustentação, isso poderia economizar de 20% a 30% do combustível atualmente necessário para voos de passageiros.
  9. Algas verdes para a limpeza do ambiente e fonte de combustível: A capacidade das algas verdes de comer bactérias é mais prevalente do que se pensava anteriormente, e esse achado pode ter importantes usos na vida real relacionados à ciência ambiental e climática. Além disso, algas verdes também podem ser uma fonte de combustível para muitos tipos diferentes de viagens, incluindo tanto no ar quanto no solo.
  10. Os genes do microbioma intestinal estão ligados à matriz de doenças humanas: Muito do que está acontecendo dentro do nosso microbioma está ligado às doenças humanas. À medida que entendermos mais sobre a ciência, haverá muitas novas maneiras de superarmos os desafios da saúde humana.
  11. Uma alternativa antibiótica capaz de tratar infecções bacterianas resistentes: Cientistas da Universidade de Durham melhoraram a alternativa padrão atual aos antibióticos (chamados peptóides), alterando sua estrutura química para melhorar a entrega em células e sua eficácia contra infecções bacterianas. Essas alternativas podem ajudar a combater a resistência a antibióticos.
  12. O metano vindo de dejetos de animais pode ser usado para cultivar proteína unicelular para alimentos: As pessoas não estão apenas convertendo metano em energia com digestores de biogás, mas também estão utilizando uma série de nutrientes diferentes e criando proteínas unicelulares que podem voltar como alimentos para animais — e até mesmo humanos.
  13. Uma lixeira inteligente que identifica tipos de alimentos e incentiva a reciclagem: O desperdício de alimentos é uma área de potencial inexplorado. A lixeira inteligente poderia reduzir um terço do nosso desperdício de comida antes mesmo de sair de casa.
  14. Um aparelho de cozinha que transforma resíduos em adubo: Existem sistemas sendo desenvolvidos hoje que nos permitirão converter nossos resíduos alimentares diretamente em adubo que podem ser usados em nossos jardins. Com um único botão, ele aquece o lixo para quebrá-lo sem cheiro e transforma-o em composto rico em nutrientes, reduzindo até 50% dos resíduos que de outra forma seriam enviados para um aterro sanitário.
  15. As ferramentas microbianas podem melhorar a produtividade ao mesmo tempo em que limitam o impacto ambiental: Existem novas ferramentas de ajudar a desenvolver microbiomas específicos no trato gastrointestinal, no solo e nos sistemas de processamento de resíduos. Como resultado, novas estratégias de suplementação nutricional e alimentar estão sendo criadas para melhorar a eficiência da produção, limitando a intensidade das emissões.
  16. Ferramentas de medição para avaliar estratégias de impacto ambiental e mitigação: ferramentas como os sistemas de auditoria agrícola E-CO2,  testes laboratoriais e avaliações de ração (Alltech IFM™ e o Yea-Sacc® Value Test), bem como o uso de programas de suplementação e manejo de pastagens para controlar as emissões e o impacto mineral no meio ambiente, são fundamentais para reduzir nosso impacto ambiental global.
  17. Ferramentas bióticas para mitigar as emissões agrícolas e a intensidade de emissões: Novos sistemas de gestão usam filtragem para eliminar o metano na fonte e potencialmente usar esse metano em outros sistemas de produção agrícola. O manejo de estrume, assim como o manejo e a nutrição de pastagens nos ajudam a dar atenção ao microbioma e a importância de ver todas essas áreas vinculadas.
  18. Utilização de enzimas como catalisadores biológicos: Enzimas podem nos ajudar em muitas áreas, como melhorar a digestão e a utilização da alimentação, modificar adequadamente microbiomais em animais e solos, alterar padrões de fermentação para quebrar resíduos e mitigar toxinas ambientais.

“Acredito que a indústria agrícola criará alimentos neutros para o clima”, disse Dr. Lyons. “Continuaremos a ser uma dessas indústrias centrais que podem sequestrar carbono, e seremos uma grande parte da resposta às mudanças climáticas.”

Para encerrar, o Dr. Lyons afirmou que nenhuma indústria poderia ter um impacto mais positivo no futuro do planeta do que a agricultura.

“É a indústria que mais me empolga, e é uma grande honra trabalhar nela”, compartilhou Dr. Lyons. “Podemos nutrir o mundo enquanto esfriamos seu clima. Podemos deixar não uma pegada, mas um legado. Que oportunidade extraordinária todos nós nos reunirmos, trabalhando juntos para um Planeta da Abundância™.”

Fonte: A.I.

BRF investirá R$ 670 milhões no Mato Grosso

DESVET

DESVET apresenta Supervisor Técnico Comercial