Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
SUINOCULTURA

Conteúdo

Doenças entéricas desafiam a suinocultura do desmame à engorda

Clostridium perfringens é uma ameaça constante para granjas brasileiras
feedfood
pigs in the pigsty livestock pork production

A suinocultura no Brasil enfrenta significativos desafios sanitários, especialmente com doenças causadas pela bactéria Clostridium perfringens. Esta bactéria gram-positiva e anaeróbica é comum em diversos ambientes, incluindo o solo e o intestino de vários animais.

“As doenças causadas por Clostridium perfringens manifestam-se como enterite aguda ou crônica em leitões. A bactéria, presente no intestino de todos os suínos, multiplica-se rapidamente e produz toxinas letais, causando grandes prejuízos às granjas”, explica gerente de Produto Saúde Animal da MCassab, Maria Carolina Toth.

Os sintomas dessas infecções incluem diarreia, perda de peso, anorexia, desidratação e edema muscular. “Com o avanço das pesquisas científicas e o desenvolvimento de novas tecnologias, atualmente temos soluções eficazes para controlar esses desafios entéricos, resultando em animais mais saudáveis e maior rentabilidade para os produtores”, ressalta Maria Carolina.

Bactéria gram-positiva e anaeróbica é comum em diversos ambientes, incluindo o solo e o intestino de vários animais (Foto: Reprodução)

A MCassab Nutrição e Saúde Animal oferece ao mercado o BZPAC 15%, um melhorador de desempenho que também pode ser utilizado terapeuticamente. “BZPAC 15% é um aditivo composto por bacitracina de zinco, um antibiótico polipeptídico essencial para o controle de Clostridium perfringens. Ele é administrado tanto para prevenção quanto para tratamento”, detalha Maria Carolina.

De acordo com a especialista, devido ao seu alto peso molecular, a bacitracina não é absorvida quando administrada oralmente, permitindo seu uso seguro em todas as fases de criação animal, sem risco de resíduos na carcaça, mesmo se utilizada até o abate. “Assim, é um produto de carência zero”, destaca Maria Carolina.

O BZPAC 15% possui a capacidade de minimizar o desenvolvimento de resistência bacteriana, essencial para a eficácia a longo prazo dos agentes antimicrobianos. Sua ação concentra-se no lúmen intestinal, onde se originam muitas infecções, proporcionando controle eficaz sobre as bactérias gram-positivas, frequentemente associadas a distúrbios intestinais e problemas de saúde em animais.

Fonte: MCassab, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Setor de suínos prevê valorização expressiva no mercado em junho

RS prioriza segurança e renovação no setor agropecuário após desafios

Filipinas recebem primeiras remessas de carne suína gaúcha

Patrocinado
Patrocinado