in

Covid-19 em embalagem pode ter originado de armazém

Embarque em destaque é da empresa brasileira Marfrig

Embarque em destaque é da empresa brasileira Marfrig

Após ser detectado vestígios de Covid-19 em embalagem de carne brasileira na China, fontes contatadas pelo portal de notícias Valor Econômico contam que questão está relacionada ao armazém. Produto foi exportado pela empresa Marfrig.

De acordo com o Valor Econômico, em contato com informações preliminares que circulam no governo e no setor privado, “as autoridades de Wuhan detectaram a presença do vírus em embalagem de carne que estava em um armazém”.

“Segundo uma fonte, o armazém deve ser higienizado porque embalagens de produtos de outras empresas também teriam testado positivo para a Covid-19. Diante disso, a avaliação inicial é que o problema está relacionado ao armazém, e não à carne”, explica o informativo.

A carne embarcada, produzida no abatedouro de Várzea Grande (MT), chegou em território chinês entre julho e agosto, sendo assim, o despacho da mercadoria no Brasil deve ter ocorrido no primeiro semestre, já que a unidade em questão estava suspensa de exportar à China entre 26 de junho e outubro após casos de Covid-19 entre funcionários da fábrica.

Procurados pelo Valor Econômico, a Marfrig e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) não quiserem comentar o caso. Uma fonte do governo destacou (ao VE) que a Pasta não foi notificada sobre a questão. Os adidos agrícolas do País na China teriam sido informados pela imprensa local.

“O cenário todo ainda não está claro, mas fontes confiam que o problema localizado no armazém afasta a possibilidade de uma suspensão, por uma semana, do desembaraço de cargas vinda do frigorífico”, finalizou o jornal.

 Fonte: Valor Econômico, adaptado pela equipe feed&food. 

BI lança websérie “Do campo à mesa”

Armazenamento e transporte de pintinhos é debatido