in

Controle de Salmonella também é questão de saúde pública

Eva Hunke, especialista da Phibro, aborda urgência do debate sobre o tema

As Salmonellas estão amplamente presentes no ambiente, mas seu habitat natural é o trato intestinal dos seres humanos e animais. As perdas geradas por este patógeno vão muito além da produção, pois representam um potencial risco à saúde pública.

As características de gravidade da infecção variam de acordo com a variante da Salmonella envolvida e com a espécie, pois sabemos que algumas Salmonellas provocam sintomas clínicos apenas em determinados hospedeiros. Podemos citar a S. Gallinarum, que provoca doença clínica nas aves, porém tem pouca importância em seres humanos. O oposto acontece para as Salmonellas paratíficas, que, na maioria das vezes, não causam nenhum sintoma clínicos nas aves, sendo, contudo, extremamente importantes em termos de saúde pública.

A contaminação de alimentos de origem avícola é tema recorrente quando falamos sobre infecção em humanos e merece atenção devido à elevada frequência e gravidade. O controle da Salmonella tornou-se parte fundamental para manutenção e ampliação da cadeia da avicultura.

Os sorovares (ou variantes sorológicas) Enteritidis e Typhimurium são frequentemente relacionados à contaminação em produtos de origem animal e infecções em humanos, entretanto existe crescente preocupação com outros sorogrupos – tais como Heidelberg, Senftenberg, Infantis e Minnesota. Entre as Salmonellas paratíficas mais isoladas de aves no Brasil, o sorovar Minnesota tem se destacado pela alta prevalência em amostras de frangos e, juntamente com o Infantis, vem mostrando sinais de perenização nas granjas, como aconteceu com a Heidelberg anos atrás.

A diversidade de sorogrupos torna o controle uma missão árdua, pois os programas abrangentes, por ser complexos, acabam tendo fragilidades. E isso é normal! Por isso, a necessidade de ter vacinas como parte complementar do programa de biosseguridade. As vacinas elevam a barreira sanitária e ajudam a perpetuação de Salmonellas transitórias nas granjas.

Os estudos epidemiológicos demonstram que existe uma dinâmica de adaptação e substituição entre os sorovares. Durante alguns anos, os sorovares Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium destacavam-se. Entretanto, em algumas regiões já ocorre substituição destes por S. Minnesota, S. Tenesse, S. Infantis ou S. Mbandaka, por exemplo.

O aumento crescente do número de refeições fora de casa também fez crescer os casos de notificação de surtos de toxinfecção alimentar em seres humanos, e os casos de infecção por Salmonella, embora costumem atrair a atenção da mídia, são frequentemente subnotificados. Estima-se que cerca de 80% dos casos não são sequer diagnosticados.

A contaminação dos produtos de origem animal pode ocorrer em diferentes etapas do processo produtivo e os estudos epidemiológicos e estratégias de autocontrole permitem que ações sejam tomadas em cada etapa de maneira mais específica e eficiente.

Dentre os sorogrupos que demonstram crescimento na frequência de isolamento, as Salmonellas do grupo C, em especial a S. Infantis, merecem atenção adicional, pois estão frequentemente associadas a casos de infecção em seres humanos e multirresistência a antibióticos.

O uso de vacinas multivalentes (B, C e D) aumentam as barreiras sanitárias e é uma arma eficiente neste combate, em um mercado no qual consumidores exigem cada vez mais segurança microbiológica nos produtos de origem animal, a agroindústria precisa ser incansável na busca de melhorias para atender as expectativas da população. As Salmonellas são patógenos impossíveis de erradicação e suprir a demanda do mercado consumidor só é possível por meio de monitoramento sanitário, implantação de programas de biosseguridade e vacinação das aves.

Autora: Eva Hunka, médica veterinária pela UFRPE, mestre em medicina veterinária preventiva pela Unesp e gerente de negócios biológicos da Phibro Saúde Animal.

“Coccidiose de Trás Pra Frente” lança último episódio

JBS

JBS doa 7 mil oxímetros para unidades de saúde em SP