Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Alianças estratégicas são essenciais para transição à economia verde

ABAG debateu assunto durante webinar com embaixador da OMC
feedfood
Futuristic global business

No cenário global, os marcos regulatórios externos sofrem influência das mudanças geopolíticas, que refletem ideias unilateralistas, protecionistas e nacionalistas, além do enfraquecimento do multilateralismo. Outros fatores como as preferências do consumidor e questões climáticas também desempenham um papel crucial.

Essa foi a tônica discutida durante o webinar “ABAGTALKS – Agronegócio e Geopolítica: o papel do Brasil frente às novas regulamentações estrangeiras”, promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG).

Para o embaixador Roberto Azevêdo, ex-diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o Brasil necessita adotar uma postura estratégica, desenvolvendo uma agenda positiva e proativa. “É fundamental apresentar propostas embasadas cientificamente, aliadas a uma massa crítica e por meio de alianças com outros países”, ressaltou Azevêdo.

Diante da fragmentação decorrente da polarização entre países, Azevêdo enfatizou a necessidade de ações imediatas, visto que organismos internacionais estão enfraquecidos e carecem de agilidade. Ele destacou o papel do Brasil, especialmente no setor do agronegócio, como um protagonista potencial nesse contexto.

ABAGTALKS – Agronegócio e Geopolítica: o papel do Brasil frente às novas regulamentações estrangeiras foi transmitido no dia 7 de maio (Foto: divulgação)

Caio Carvalho, presidente da ABAG, compartilhou a preocupação com o unilateralismo, que contribui para a desconfiança e a imprevisibilidade no cenário internacional. “É imperativo estabelecer uma geopolítica de interesse global, baseada em ciência e em métricas, para favorecer o diálogo e a confiança”, afirmou Carvalho.

O trabalho de articulação proposto pelo Brasil demandará tempo, conforme ressaltado por Azevêdo, pois requer a formação de alianças estratégicas em diversos blocos. “No caso da segurança alimentar, os Estados Unidos podem ser um grande aliado”, exemplificou o embaixador, destacando a importância de cooperação mesmo em contextos diversos.

Renata Miranda, secretária de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo do Ministério da Agricultura e Pecuária, sublinhou o compromisso do Brasil com a sustentabilidade. Ela destacou a relevância do cooperativismo e do associativismo para a transição tecnológica, além de abordar a questão do carbono na agricultura.

Marcelo Regunaga, coordenador-geral do Grupo de Países Produtores do Sul (GPS), ressaltou o potencial alimentar e ambiental dos países membros, incluindo o Brasil. Ele defendeu a necessidade de uma ação conjunta entre o setor público e o privado para enfrentar desafios globais, salientando a importância de respeitar a realidade de cada país.

O webinar destacou a complexidade dos desafios que o Brasil e outros países enfrentam diante das mudanças geopolíticas e dos novos marcos regulatórios externos. A necessidade de uma abordagem colaborativa e baseada em evidências científicas foi consenso entre os participantes, visando garantir a sustentabilidade do agronegócio e a segurança alimentar global.

Fonte: ABAG, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Governo do RS toma medidas emergenciais em apoio aos produtores de leite

MAPA e Farsul desenvolvem plano emergencial para o agro no RS

Chuvas no RS afetam o abastecimento de ração

Patrocinado
Patrocinado