in

Workshop discute a redução de custos nas fazendas

Planejamento com projetos customizados traz economia para a pecuária

Planejamento com projetos customizados traz economia para a pecuária

O Circuito de Conhecimento Máxima, organizado pela Máxima Agronegócios — parceira comercial da De Heus —, no espaço para eventos do restaurante Rubaiyat, em São Paulo, reuniu pecuaristas e agricultores num evento de socialização e atualização de conhecimentos sobre estratégias personalizadas que reduzam os custos nas fazendas.

No acontecimento, o palestrante Orlando Murgel, diretor executivo da IFB (Instituto de Fosfatos Biológicos), falou sobre “Alternativas de adubação visando produtividade e sustentabilidade”; Anderson Di Pietro, gerente de Produtos – Ruminantes da De Heus, dissertou sobre “Suplementação estratégica e terminação intensiva de bovinos de corte”; e Daniel Rabelo, zootecnista e consultor da Máxima Agronegócios, discorreu sobre os “Aspectos financeiros da pecuária de recria e engorda”.

Segundo Henrique Lemos, diretor técnico da Máxima Agronegócios — que fez a abertura do evento —, já foram desenvolvidas várias palestras do Circuito de Conhecimento pelo Brasil, e o de São Paulo encerrou o ciclo dos eventos deste ano. “Nosso intuito é passar conhecimento técnico e financeiro e permitir que os profissionais que atuam no segmento se atualizem e tenham uma atividade mais segura. Como a aceitação tem sido boa, para 2020 já há uma programação de cerca de seis eventos. Nesse trabalho, contamos com especialistas técnicos de nossos parceiros, como a De Heus, com quem já estamos trabalhando há nove meses. Eles possuem expertise europeia de nutrição customizada, que potencializa a produção, reduzindo gastos”, explica.

Durante sua palestra, Murgel destacou que a sustentabilidade no agronegócio é um caminho sem volta, e que o uso correto de adubos orgânicos gerados pela própria fazenda, de forma inteligente e com assistência técnica nas lavouras, auxilia o meio ambiente e ainda traz rentabilidade. Para ele, ações conscientes, tanto na produção animal como nas plantações, aperfeiçoam certamente o alimento que chega às mesas das pessoas. “Essa parceria em eventos como este, entre a Máxima Agronegócios e a De Heus, é produtiva para a área de agronegócio, que pode se atualizar sobre as novas tecnologias e tendências de mercado”, completa.

Para Daniel Rabelo, há como aperfeiçoar resultados com uma produção sustentável — que respeite a reserva do solo para que não haja degradação — e acertos nos aspectos financeiros, com suporte, ganho ideal e custo, potencializando o faturamento das propriedades: “Integrando lavoura e pecuária, o uso do local será maximizado, mais produção em menos áreas, com menos recursos. Para tanto, ações como boas escolhas em nutrição e adubação personalizada geram resultados satisfatórios — trabalhando dentro de um sistema ILP (Integração Lavoura Pecuária) —, pois há um uso mais consciente dos recursos”.

Anderson Di Pietro considera a suplementação estratégica indispensável para uma pecuária mais lucrativa e sustentável: “Cada propriedade tem sua particularidade e, para aumentar a lucratividade, é necessário um diagnóstico inicial, para que sejam conhecidas as particularidades, como a infraestrutura, recursos disponíveis e as necessidades, para uma apresentação mais adequada de soluções personalizadas, que tragam melhores resultados de produção e, consequentemente, maior rentabilidade”.

Denise Redoschi — sócia de uma empresa de agropecuária com propriedades em Goiás e Avaré —, que participou do Circuito, acredita que um evento como este é muito interessante, pois muitas vezes os empreendedores de agronegócio estão tão absorvidos no dia a dia das suas atividades que não têm tempo para uma reciclagem de conhecimento: “Ter uma consultoria com especialistas que façam um diagnóstico das condições das fazendas e apresentem um projeto com soluções individualizadas, que potencializem a produtividade, hoje em dia é fundamental para o sucesso do nosso negócio”.

Fonte: A.I., adaptado pela equipe feed&food.

USDA Brasil estima queda na exportação de soja

Gestão de micotoxinas reduz riscos na produção