Patrocinado
SUINOCULTURA

Conteúdo

Vendas externas da carne suína crescem 13,2%

No mês de novembro as exportações voltaram a superar 100 mil toneladas
feedfood
Foto: reprodução

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou nesta quarta-feira (06), que as vendas externas da carne suína, considerando todos os produtos entre in natura e processados, somaram 105,7 mil toneladas no mês de novembro. O número é 13,2% superior ao verificado no mesmo período do ano passado, com 93,4 mil toneladas.

O presidente da ABPA, Ricardo Santin, destacou que as exportações neste mês voltaram a superar o patamar de 100 mil toneladas. “As exportações acumuladas até novembro já igualam em volume e superam em receita o total registrado ao longo de todo o ano de 2022. Os números confirmam as projeções iniciais nas exportações para este ano”, afirmou.

Em receita, as exportações de novembro alcançaram 225,8 milhões de dólares, saldo 2,3% abaixo que o registrado anteriormente em 2022, com US$230,5 milhões.

FOTO: REPRODUÇÃO
No mês de novembro as exportações de carne suína voltaram a superar 100 mil toneladas (FOTO: REPRODUÇÃO)

No acumulado deste ano, entre os dez primeiros, as exportações do setor atingiram alta de 10%, com 1,118 milhão de toneladas vendidas, contra 1,017 milhão de toneladas em 2022. Ainda no mesmo período, a receita calculada totalizou 2,586 bilhões de dólares, saldo 11,5% superior ao verificado no ano passado, com US$2,319 bilhões.

“Salvo as vendas para a China, todos os outros países importadores registraram alta nas importações da carne suína do Brasil neste ano, confirmando uma tendência já prevista pelo setor de ampliação da capilaridade das exportações, fortalecendo a presença do produto em destinos de mercados de alto valor agregado, como o Japão, a Coreia do Sul e os Estados Unidos”, relatou o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária