in

Topigs investe em central de avaliação de reprodutores suínos

Ação, com foco no Brasil, gira em torno de 1 milhão de euros

REPRODUÇÃO

A empresa de genética suína Topigs Norsvin anuncia o investimento de cerca de 1 milhão de euros em sua sede brasileira, que contribuirá de maneira significativa para o progresso genético de suas linhagens de machos terminadores para que sejam ainda mais competitivas e alinhadas aos anseios dos produtores nacionais. A central de avaliação de reprodutores suínos está localizada em Guarapuava (PR).

De acordo com diretor técnico da Topigs Norsvin no Brasil, que também faz parte do grupo de pesquisadores da Topigs Norsvin Research Center, da Holanda, Marcos Lopes, a partir de agora o Brasil terá uma estrutura muito similar às inovadoras centrais de avaliação de reprodutores suínos da empresa no Hemisfério Norte. “Temos na Noruega, desde 2008, e no Canadá, desde 2018, centrais de avaliação de reprodutores suínos que contam com tudo que há de mais moderno em genética suína, como tomografia de computadorizada para avaliação da qualidade de carne e carcaça, comedouros automáticos para coleta de consumo e ganho de peso individuais, além do uso de marcadores de DNA (seleção genômica) que têm proporcionado melhorias das linhagens genéticas da Topigs Norsvin. No central de avaliação no Brasil, só não teremos a tomografia computadorizada, mas por meio do uso de marcadores moleculares, os animais testados aqui se beneficiarão diretamente dos dados de tomografia computadorizada coletados no Hemisfério Norte”, explica Lopes.

Hoje, a empresa, que é líder global em inovação e está presente em mais de 50 países, quer crescer ainda mais no mercado brasileiro. “O objetivo ao ter uma central de avaliação de reprodutores em território nacional é reforçar ainda mais o desenvolvimento da suinocultura nacional, evoluindo a genética Topigs Norsvin nas condições ambientais nas quais os animais estão expostos nas granjas de nossos clientes”, afirma.

Ainda de acordo com Lopes, o investimento abre caminho para a coleta de dados mais específicos, como o comportamento social dos animais em baias coletivas, que contribuirão para o aperfeiçoamento da seleção genética por meio de parcerias com as melhores universidades do país. “Antes tínhamos que pesar e avaliar os animais um a um, gerando desconforto para eles, além de ser um trabalho desgastante para os nossos colaboradores. Com os novos equipamentos, poderemos testar os animais em baias coletivas, promovendo o seu bem-estar ao mesmo tempo em que coletamos dados mais precisos para nosso programa de genética”, detalha o diretor técnico da Topigs Norsvin no Brasil.

“Com estes investimentos, a Topigs Norsvin vai entregar reprodutores que apresentam uma maior eficiência alimentar, diminuindo os custos de produção e gerando mais lucros aos nossos clientes, já que o fator nutricional representa a maior parcela do custo de produção”, salienta.

“De posse destes dados, podemos selecionar os animais que alcançam a melhor eficiência alimentar, com o maior aproveitamento e digestão de nutrientes, diminuindo, assim, a excreção de fósforo e nitrogênio, que são potenciais fontes de poluição do meio ambiente caso os dejetos suínos não sejam tratados de maneira adequada. Com isso, a Topigs Norsvin promoverá o progresso genético de suas linhagens genéticas ao mesmo tempo em que contribui para uma maior sustentabilidade da suinocultura nacional”, destaca.

A nova central de seleção entra em operação na primeira quinzena de novembro de 2021.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Preços dos ovos apresentam recuo em São Paulo

Médico veterinário alerta sobre mastites

Palestra da JINC aborda carne cultivada

Alltech fala sobre reduzir emissão de metano

Estresse térmico de vacas leiteiras será tema de webinar