Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Tecnologia auxilia pecuária de corte e leite a superar os desafios

Produção de carnes no Brasil bateu recorde no período de janeiro a setembro deste ano
feedfood
Foto: reprodução
  1. A produção de carnes no Brasil atinge um recorde de 6,39 milhões de toneladas nos primeiros nove meses de 2023, destacando a posição de liderança do país no mercado mundial.
  2. Mesmo com uma queda de 5% no valor das exportações em comparação com 2022, a robustez e aceitação internacional das carnes brasileiras permanecem sólidas, revela relatório da Secex.
  3. A dsm-firmenich lança a Pecuária de Precisão, integrando tecnologia, nutrição e consultoria para impulsionar a eficiência e sustentabilidade nas fazendas, marcando um avanço significativo no setor.
  4. Censo de Confinamento da dsm-firmenich apresenta estabilidade, com 7,029 milhões de bois confinados em 2023.

A produção de carnes no Brasil bateu recorde no período de janeiro a setembro desse ano (último período analisado), conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com total de 6,39 milhões de toneladas produzidas, um aumento de 8,37% em comparação com o mesmo período de 2022 e 4,5% a mais em relação ao recorde anterior, registrado em 2019. O aumento no volume de animais prontos para o abate, totalizando 24,4 milhões de cabeças, é uma evidência da virada do ciclo de produção em 2023.

Além disso, o Brasil segue sendo o principal exportador mundial. Somente no acumulado de 2023, já exportou mais de 1,6 milhão de toneladas de carne bovina in natura. “Apesar de ser 5% menos do que no mesmo período de 2022, o país continua demonstrando uma presença significativa no mercado internacional de carnes, muito por conta de sua aceitação e reconhecimento, bem como pelo fato de os produtos terem qualidade, segurança alimentar e serem competitivos”, explica Fabiana Fontana, especialista de mercado da área de Ruminantes da dsm-firmenich, que realizou um encontro com a imprensa no dia 27 de novembro, em São Paulo/SP.

Além de revelar o atual cenário da carne brasileira, os especialistas da dsm-firmenich mostraram que 2023 foi um ano “atípico” para a cadeia do leite. Marcado pelas sucessivas desvalorizações no preço ao produtor, muito em virtude do aumento da disponibilidade interna de lácteos, o setor registrou um recuo de 21,3% no preço do leite, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA – Esalq/USP). O aumento das importações, aliado ao consumo enfraquecido e elevação da produção nacional a partir do segundo semestre, explicam esse cenário. “Isso, combinado às condições climáticas negativas, como a seca e o calor no Sudeste e Centro-Oeste e excesso de chuvas no Sul, devem prejudicar a produção no último bimestre, fazendo com que os preços registrem estabilidade e ligeira tendência à alta em algumas bacias leiteiras”, avalia Marcelo Machado, gerente técnico de leite da dsm-firmenich.

Para a pecuária de leite, a dsm-firmenich dispõe de altas tecnologias que ajudam a impulsionar a produtividade das vacas. E na dianteira de sempre prover tecnologia de nutrição focada em resultados na fazenda, a linha Bovigold®, que está em constante evolução, passou por uma reformulação, que tornou os produtos ainda mais eficientes e prontos para atender as novas e desafiadoras demandas. Entre as premissas da nova linha reformulada estão o uso mais eficientes e melhora do equilíbrio dos minerais, com menos desperdício, inclusive para o meio ambiente, e inclusão dos aditivos Hy-D® para melhor absorção do macrominerais e índices zootécnicos dos animais e do Mycofix® para o manejo individual de micotoxinas.

“A pecuária de corte e de leite tem se mostrado essencial ao desenvolvimento do nosso país e bastante resiliente. Tivemos uma série de desafios ao longo desse ano, que foram tratados com muito cuidado pelos produtores, os verdadeiros protagonistas do nosso setor”, aponta Sergio Schuler, vice-presidente do negócio de Ruminantes da dsm-firmenich para a América Latina.

FOTO: REPRODUÇÃO
Setor registrou um recuo de 21,3% no preço do leite (FOTO: REPRODUÇÃO)

Ao reforçar o protagonismo da atividade pecuária na economia brasileira, contudo, Schuler não deixa de mencionar os avanços dos produtores para a adoção de tecnologia no campo para impulsionar os resultados em produtividade, eficiência e rentabilidade, além de preservar o capital alocado na produção rural. “Muitos produtores passaram a entender melhor a importância de usar tecnologias nas fazendas, incluindo suplementação adequada para os animais se tornarem mais produtivos e saudáveis durante todo seu ciclo”, reforça.

Sobre as tecnologias do portfólio da marca Tortuga® de suplementos nutricionais para bovinos, o diretor de vendas da dsm-firmenich, Tulio Ramalho, menciona algumas inovações que melhoram os índices zootécnicos dos bovinos de corte e leite e a rentabilidade dos produtores. Destaque para os aditivos CRINA® e RumiStarTM, ingredientes de alta tecnologia exclusivos da dsm-firmenich que, combinados aos Minerais Tortuga, trazem uma série de benefícios para aumento da produtividade. Destaque também para o Hy-D®, aditivo que, ao ser incluído na dieta dos bovinos, garante absorção mais rápida e eficiente dos macrominerais, melhorando o rendimento de carcaça, produção de leite e índices reprodutivos, e para a linha de produtos Mycofix®, com tecnologia enzimática exclusiva capaz de fornecer uma solução completa e personalizada para o manejo individual de micotoxinas, com resultado contra endotoxinas, protegendo as vacas leiteiras do enfraquecimento do sistema imunológico e menor desempenho do animal.

E nesse contexto de evolução constante da pecuária brasileira, a dsm-firmenich entende que o uso de tecnologias continuará ganhando protagonismo para os resultados produtivos de carne e leite de forma eficiente, segura e com geração de receitas aos pecuaristas. “A adoção de tecnologias economicamente viáveis e que contribuem para elevar os índices zootécnicos do rebanho bovino é um caminho sem volta. Em períodos de economia em alta, as inovações do setor ajudam os produtores a ampliarem ainda mais a captação de receita e, em períodos de maior volatilidade do mercado, essas tecnologias ajudam muito a proteger o capital alocado e a obter resultados positivos em liquidez e em rentabilidade”, comenta Ramalho.

Nova categoria de soluções digitais da dsm-firmenich impulsiona a pecuária brasileira
Ao comentar sobre os principais pontos do ano, a dsm-firmenich lembra o lançamento da Pecuária de Precisão, categoria que chega para nomear um portfólio que inclui soluções digitais, integrados à carteira da companhia a partir da aquisição (em 2022) da Prodap, empresa de tecnologia de nutrição animal. Essa nova categoria abrange o fornecimento de produtos digitais de ponta, que vêm revolucionando a maneira como os pecuaristas interagem com as suas fazendas ao integrarem nutrição, consultoria especializada e softwares focados em todas as etapas da produção, em uma plataforma que leva a fazenda para um patamar superior em termos de administração e produtividade. Lançado ao final de outubro, esse conceito representa o avanço no compromisso da dsm-firmenich de criar soluções inovadoras que atendam às necessidades e demandas de um mundo em constante evolução.

Para trazer a metodologia da Pecuária de Precisão aos pecuaristas do Brasil (incluindo fábricas de ração), o portfólio de soluções integradas de tecnologia, nutrição e consultoria cria fazendas mais lucrativas e sustentáveis com apoio dos softwares de gestão, que passam a adotar a marca FarmTell. São tecnologias digitais que tornam possível coletar uma quantidade massiva de dados e desenvolver insights em tempo real para os produtores que, em posse de dados, podem corrigir erros e evitar impactos no sistema produtivo, gerando ganhos em eficiência na atividade. E os casos de sucesso já são percebidos em fazendas de corte e leite em todo o Brasil. Atualmente, essas plataformas digitais inovadoras estão presentes em 6 mil fazendas, com mais de 15 mil usuários e monitoramento de mais de 5 milhões de animais. São números robustos que permitem à companhia organizar um plano de expansão desse portfólio para outros países da América Latina (inicialmente México e Paraguai) e, depois, EUA, Europa, China e Austrália.

“A Pecuária de Precisão é uma categoria nova aderente ao nosso propósito ao permitir fazer diagnósticos acurados dos rebanhos para melhorar a gestão das fazendas. Com a incorporação das soluções da Prodap, que incluem softwares de gestão das fazendas, as inovações em nutrição animal da dsm-firmenich trouxeram mais tração para esse portfólio e, nesse contexto, essa mudança do nome da categoria de produtos coloca a nossa atuação em uma posição ainda mais sólida de contribuir para tornar a pecuária mais eficiente e produtiva”, conta Vanessa Porto, diretora de PMI (gerenciamento de projetos) e Inovação Digital da dsm-firmenich para a América Latina.

FOTO: REPRODUÇÃO
Aumento no volume de animais prontos para o abate totalizaram 24,4 milhões de cabeças (FOTO: REPRODUÇÃO)

Censo de Confinamento da dsm-firmenich registra 7 milhões de bois confinados em 2023

Um volume de 7,029 milhões de bovinos confinados. Esse foi o montante registrado pelo Censo de Confinamento da dsm-firmenich 2023, estruturado pelo Serviço de Inteligência de Mercado da dsm-firmenich e que mostra estabilidade em comparação com o ano passado. O rebanho de animais confinados esse ano mostra uma alta significativa de 46% frente ao primeiro levantamento, em 2015, que registrou 4,75 milhões de bovinos produzidos no sistema intensivo de produção. “O confinamento é uma ferramenta estratégica e uma tendência que contribui para melhorar a produtividade do rebanho. Os pecuaristas brasileiros estão percebendo isso e se movimentando para adotar as altas tecnologias que temos disponíveis no mercado, ao mesmo tempo em que adequam as suas fazendas para receber essas soluções”, avalia Hugo Cunha, gerente técnico Latam de Confinamento da dsm-firmenich.

E para impulsionar os resultados no confinamento, Hugo ressalta a tecnologia como a parceira do pecuarista. No caso os ingredientes de alta tecnologia desenvolvidos pela dsm-firmenich, por exemplo, o histórico de análises de campo mostra que os suplementos da linha Fosbovi® Confinamento com CRINA®, RumiStar™ e Hy-D® geram, em média, 1 arroba a mais por animal confinado, o que pode equivaler a um bovino adicional a cada 18 ruminantes confinados. Mas, adicionalmente ao ganho de peso, essas tecnologias geram outros benefícios, como maior eficiência alimentar; redução das taxas de problemas gastrointestinais (diarreias ou timpanismo); rápida adaptação dos bovinos; menor taxa e refugo no cocho; aumento do consumo de ração desde os primeiros dias de confinamento; eficiência na digestão; e menor incidência de animais com laminites e acidose. “São benefícios que partem da produção e se estendem pela indústria frigorífica e chegam até os consumidores”, explica o especialista da dsm-firmenich.

Novo Head de ANH da dsm-firmenich

Ao encerrar o encontro, Sergio Schuler apresentou o novo vice-presidente de Nutrição e Saúde Animal para a América Latina da dsm-firmenich, Luiz Fernando Magalhães, aos participantes. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com pós-graduação em Marketing e Negócios pela PUC-Rio e MBA Business pela COPPEAD (UFRJ), o executivo possui uma experiência consolidada de aproximadamente 30 anos em empresas multinacionais de renome, incluindo Reynolds Packaging Group, Tetra Pak, Amcor Pet Packaging e Owens Illinois. Desde 2017, Luiz Fernando atuou como vice-presidente do setor de Nutrição Humana para a América Latina na dsm-firmenich, até assumir, em março de 2021, a posição de líder de ANH (Animal Nutrition and Health) na América Latina da empresa, concentrando-se na área de monogástricos (avicultura, suinocultura e aquacultura). Seu principal objetivo é focar em soluções de produtos e serviços para clientes e mercado, trazendo inovações, tecnologia e sustentabilidade.

FOTO: REPRODUÇÃO
Produção de carnes no Brasil bateu recorde no período de janeiro a setembro deste ano (FOTO: REPRODUÇÃO)

LEIA TAMBÉM:

Empresas apostam em ações e produtos inovadores durante SBSBL  

Vendas externas de suínos caem, mas podem ser recorde em 2023

“Os temas abordados nesse ano foram muito bem escolhidos”, afirma CBO