in

Suplementos auxiliam na nutrição no período de seca

Com a chegada do frio, produtores devem se atentar à nutrição dos animais

Com a chegada da época mais seca e fria do ano, os pecuaristas têm a necessidade de planejar a dieta do rebanho para impedir que os ganhos conquistados nos meses mais chuvosos sejam perdidos e isso afete o desempenho dos animais. No período de estiagem, quando os pastos não apresentam níveis satisfatórios de proteína, vitaminas e minerais, recomenda-se aos produtores o uso de suplementação nutricional para manter positivos os índices zootécnicos dos bovinos e, consequentemente, a produtividade e rentabilidade da fazenda.

“Sem o balanceamento adequado no consumo proteico e energético, o animal pode perder boa parte do peso adquirido no período de águas”, ressalta Lucas Oliveira, gerente da categoria bovinos de corte da DSM. A empresa, alinhada aos principais desafios da pecuária, fornece soluções que contribuem para melhorar o desempenho do rebanho e que são aplicadas na dieta dos ruminantes com o apoio da sua equipe técnica e consultiva, que conhece de perto as necessidades do campo para gerar benefícios em todos os sistemas produtivos.

Tecnologia provada no campo melhora o desempenho no pasto

Para os pecuaristas que produzem bovinos de corte em sistemas de pasto, a suplementação nutricional dos animais ajuda a manter os resultados positivos tanto na época de águas como em períodos de seca. O fornecimento de nutrientes que contribuem para melhorar os índices zootécnicos evita o risco de baixos desempenhos, ou mesmo perda de peso do rebanho. Para esse sistema no atual momento de transição, em que os pecuaristas começam a se preparar para o período de seca, a equipe da DSM recomenda algumas soluções do portfólio Tortuga®.

Entre elas, destaque para o Fosbovi® Proteico 35 com Monensina, indicado para bovinos de corte produzidos em sistemas de pastagem, que oferece bom desempenho mesmo com a queda de qualidade dos pastos. E para os bovinos na fase de terminação ou recria mais acelerada, a recomendação é o Fosbovi® Proteico Energético 25 M, indicado para bovinos em crescimento e em engorda produzidos preferencialmente em pastagens com adequada disponibilidade e que, como diferencial, otimiza o desempenho dos animais. Os dois produtos oferecem minerais com alta tecnologia, na forma de Minerais Tortuga e aditivo ionóforo, que otimiza o desempenho e combate a coccidiose bovina.

Semiconfinamento para intensificar a produção no campo

Para intensificar a produção em sistemas de pastagem, uma opção cada vez mais utilizada pelos pecuaristas brasileiros é o semiconfinamento, considerado um “meio termo” entre o confinamento e a suplementação em pastagens. É um sistema que se baseia em nutrição e engorda em pasto, com fornecimento de ração concentrada em cocho, entre 1% e 2% do peso vivo do animal.

No semiconfinamento, os produtores têm à disposição os suplementos da marca Tortuga® para impulsionar os índices dos animais e melhorar os resultados da fazenda. Aqui, a recomendação são os suplementos Fosbovi® Confinamento CRINA®, Fosbovi® Confinamento 400 e Fosbovi® Confinamento, indicados para o preparo de concentrado para bovinos de corte em fase de engorda em confinamento e semiconfinamento.

Suplementação que gera [email protected] a mais por bovino no confinamento

Aos produtores que optam pelo sistema de confinamento no período de seca, as tecnologias desenvolvidas pela DSM, como os produtos da linha Fosbovi® Confinamento com CRINA® e RumiStar™, têm resultados comprovados ao gerar animais pesados e bem-acabados. “Com os suplementos nutricionais de alta tecnologia da Tortuga®, os bovinos têm um ganho adicional médio de uma arroba por animal”, conta o gerente de categoria Confinamento da DSM, o zootecnista Marcos Baruselli.

Esses e outros benefícios produtivos são gerados pela associação equilibrada de macro e micronutrientes com os Minerais Tortuga®, além de vitaminas e aditivos naturais, como leveduras vivas, mais CRINA® e RumiStar™. Mas há ainda a melhor eficiência alimentar; redução de problemas digestivos, como o timpanismo; rápida adaptação dos animais; menor taxa de refugo de cocho; aumento do consumo de ração desde os primeiros dias de confinamento; e menor incidência de animais com laminites e acidose.

Fonte: A.I.

Biogénesis Bagó lança novo anti-inflamatório

Nutrição pode aumentar a gordura e proteína do leite das vacas