in

Seminário destaca importância do Plano ABC

Futuro do setor produtivo exige entendimento sobre mitigação de gases

Durante seminário, representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) destacaram resultados do Plano ABC. Evento com o tema As certificações como promotoras de boas práticas da agropecuária de baixa emissão de carbono” foi realizado na quinta-feira (07), pelo Projeto Rural Sustentável.

Segundo a Pasta, “as certificações se apresentam como vetor de promoção e difusão de boas práticas e tecnologias de baixa emissão de carbono”. “São, então, oportunidades para promover o acesso a novos mercados, fortalecer a produção, melhorar a renda de produtores rurais a partir da comprovação da atuação sustentável baseada em aspectos social, ambiental e econômico”, conta.

Algumas das certificações disponíveis no mercado conforme esses critérios são Forest Stewardship Council (FSC); Rainforest Alliance (RA); Orgânico BR; Certifica Minas; Carne Carbono Neutro (CCN); Rede ILPF e Round Table on Responsible Soy (RTRS). Como projeto-piloto, o Projeto Rural Sustentável – Cerrado irá capacitar os produtores de 170 unidades demonstrativas, somando 60 mil hectares, de forma a avaliar a aptidão e possibilidade de implementação dessas certificações.

“A ideia é promover as boas práticas para que o produtor tenha condições de trabalhar um plano de adequação para que ele possa vislumbrar futuramente uma certificação”, declara a coordenadora de Finanças Verdes do Projeto Rural Sustentável – Cerrado, Marcela Miranda.

Plano ABC

Como explica o Ministério, no período de 2010 a 2020, dos 35,5 milhões de hectares previstos, as ações envolvendo essas tecnologias foram aplicadas em 52 milhões de hectares, possibilitando a mitigação de cerca de 170 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente. “A meta inicial era de 132 a 162 milhões de toneladas de CO2 equivalente”.

“Sabemos que para o futuro, o desafio é ainda maior, por isso, temos que atender esse duplo desafio: de uma agricultura que garanta a segurança alimentar nacional contribuindo internacionalmente e também mitigando gases de efeito estufa”, reforça a diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação do Mapa, Mariane Crespolini, ao frisar que a produção agropecuária é uma indústria a céu aberto e está sujeita às intempéries causadas pela mudança climática.  

Fonte: A.I., adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Produção feminina de churrasco veio para ficar

Recadastramento de pescadores é iniciado

Ariel Mendes fala sobre participação no COSAG

Após reajuste, preço do ovo se aproxima de recorde nominal

IPVS 2022 abordará biosseguridade e inovação