in

Secretaria de Aquicultura e Pesca do MAPA participa da Fenacam

Pasta foi representada pelo secretário Jorge Seif Jr., nesta quarta-feira (17)

feed&food

Wellington Torres, de Natal

[email protected]

De maneira crescente, o setor aquícola brasileiro tem chamado cada vez mais atenção de empresários, produtores e possíveis produtores e consumidores. Contudo, para abraçar essas diferentes frentes com eficiência, aportes são necessários.

Com tal cenário em mente, secretário de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SAP/MAPA), Jorge Seif Jr., palestrou durante a edição de 2021 da Fenacam, nesta quarta-feira (17).

Segundo o profissional, em tom crítico, a dificuldade de acesso às linhas de créditos federais, por exemplo, é um dos principais gargalos da produção nacional, assim como a baixa regularização, a burocracia e a ausência de dados estatísticos precisos.  “Ao todo, são menos de 2% de todo o recurso federal investido no agronegócio brasileiro direcionado à aquicultura e pesca”.

“Como que o produtor, – já que 90% deles são de pequeno porte – vai manusear a larva do camarão, o alevino de tilápia e aguentar um ano alimentando, pagando energia e funcionários e sobrevivendo sem recursos federais?”, questionou.

Para ele, o cenário mostra uma “falta de financiamento para uma atividade que o Brasil tem vocação de produção, assim como para outras proteínas”. Por isso, para contornar situação é de suma importância que a cadeia produtiva se unifique e reivindique, de maneira contínua, por mudanças.

De acordo com Seif Jr., além do MAPA possibilitar aproximação entre as partes interessadas, há a Câmara Setorial do Pescado, “que é a formalização do diálogo entre governo e produtores”. “Através de cartas, manifestações e solicitações realizadas pela Câmara – além de ofícios para a Secretaria – o setor produtivo pode fazer as suas reinvindicações, inclusive direcionadas à Caixa Econômica Federal, à Secretaria de Políticas Agrícolas e ao Manual de Crédito Rural”, afirmou.

Para ele, o importante é que sejam formalizadas as questões e que, nas datas de conselhos e reuniões, por exemplo no Banco Central, as demandas do Ministério da Agricultura sejam impostas.

Mudanças no setor e na política

Como exemplo de mudanças em funcionamento, o secretário também destacou, ao longo de apresentação, alguns pontos realizados pela Secretaria, são eles: agilidade e celeridade em normativas com entidade/órgãos envolvidos nos processos de cessão de água da união e viabilização dos termos de fomento, como Emendas Parlamentares 2020: Realização da Fenacam 2021 e 1 Projeto “Censo da Carcinicultura do Estado do Rio Grande do Norte”, assim como da Região Leste (Sul) do Estado do Ceará.

MAPA divulga resultados do VBP 2021

Atenta ao mercado, Biomin aposta em Mycofix Plus 5.Z