in

SC bate recorde de exportação de carne suína

Estado embarcou 373,5 mil de toneladas da proteína, faturando US$ 766,4 mi

Estado embarcou 373,5 mil de toneladas da proteína, faturando US$ 766,4 mi

Reconhecido como o maior produtor nacional de suínos, o Estado de Santa Catarina aumentou ainda mais a participação internacional e alcançou o maior volume e faturamento desde 1997. Segundo a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, ao longo de 2019 foram 373,5 mil de toneladas embarcadas, gerando um faturamento de US$ 766,4 milhões, com boa parte do montante para o mercado chinês.

De acordo com o secretário de Estado, Ricardo de Gouvêa, o agronegócio de Santa Catarina vive um ótimo momento no setor produtivo de carnes. “Os produtos catarinenses já são reconhecidos em todo o mundo como sinônimo de qualidade, temos a confiança do mercado internacional e grandes diferenciais devido ao cuidado com a saúde do nosso rebanho. Colhemos agora o resultado de muito trabalho e investimento para manter a sanidade animal e a excelência da produção catarinense”, afirmou.

O Estado é responsável por 57% de toda a exportação nacional de carne suína. A alta nos embarques para a China é explicada pela grave crise enfrentada no setor suíno, devido ao surto de peste suína africana no País. No acumulado do ano, a quantidade vendida para o mercado chinês aumentou em 42,5% e o faturamento em 63,8%.

De acordo com o analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), Alexandre Giehl, provavelmente a China demorará alguns anos para recompor seu nível de produção, o que se apresenta como uma grande oportunidade para o Brasil e em especial para Santa Catarina.

Entre o período de janeiro a novembro deste ano, a assessoria afirma que a China e Hong Kong responderam por 60% de todo o faturamento com as exportações catarinenses da proteína. O Estado também mantém relações comerciais com outros importantes mercados, alguns deles sãoos mais exigentes do mundo, como Chile, Rússia, Japão, Estados Unidos e Coreia do Sul.

Com a crescente procura chinesa, no início do mês de novembro as autoridades sanitárias da China habilitaram mais sete plantas frigoríficas catarinenses a exportar subprodutos de carne suína para o país asiático. As estimativas são de que o estado aumente seu faturamento em US$ 15 milhões (cerca de R$ 60 milhões) por mês com os novos embarques.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

Brasil e Alemanha juntos em projeto Amazônia Legal

Mercado halal registra crescimento