in

SANPHAR fala sobre utilização de PCR em atividades animais

Teste é pautado como um sucesso na detecção de doenças

PCR

Diante de um teste positivo para bactérias recorrentes em granjas, o produtor se vê frente a um desafio: qual tratamento escolher? Um fator é imprescindível: a eficácia do protocolo sanitário a ser adotado depende da característica da contaminação. “A partir da tipificação que o teste PCR faz é possível saber o subtipo da bactéria. No caso da Escherichia coli, por exemplo, que é um agente presente na microbiota dos vertebrados, o que determina se a bactéria é causadora de doença é o tipo de gene que ela tem no DNA”, explica Talita Resende, coordenadora de diagnósticos da SANPHAR/IPEVE.

Com sensibilidade e precisão maiores, o teste PCR quantitativo detecta não somente a presença da bactéria, mas também o seu potencial virulento, ou seja, o quão danosa para a produção aquela contaminação pode ser. Esta tecnologia é uma das mais recentes e eficazes para a detecção e tipificação dos agentes patológicos e representa um indiscutível avanço para a saúde não somente animal, sendo aplicável a qualquer espécie, mas também aos seres humanos, sendo um dos métodos utilizados para a detecção da COVID-19.

Após ser colhida na propriedade rural por um técnico, a amostra é direcionada ao laboratório do SANPHAR/IPEVE, onde passará pela análise. A plataforma faz a detecção da bactéria e, por meio de um sistema fluorescente, ilumina a amostra a cada ciclo, o que possibilita sua tipificação. Se a iluminação da amostragem se dá em menor número de ciclos, o chamado CT (cyclethreshold), é possível concluir que há um grau mais elevado de contaminação na granja.

“O teste PCR quantitativo diferencia-se do teste PCR convencional justamente por dar referência da quantidade inicial do alvo, seja do gene ou da bactéria, na amostra. Algumas granjas são livres de micoplasma, por exemplo. Nesses casos, o teste além de dizer se é positivo ou não apresenta a quantidade de bactéria na amostra, a partir da técnica do cyclethreshold. Durante o teste, é emitida uma florescência, lida por uma máquina, o que também diminui as chances de erro humano”, pontua a coordenadora de diagnósticos da SANPHAR/IPEVE.

O primeiro teste realizado pelo novo sistema no laboratório SANPHAR/IPEVE foi concluída no início de outubro. Mesmo com a alta precisão, a análise tem resultado rápido e é entregue ao produtor em até sete dias úteis. Com o resultado em mãos, o direcionamento do tratamento torna-se ainda mais eficaz. A técnica é uma importante associada na produção das vacinas autógenas, já que amplia a clareza do status sanitário da propriedade – o que possibilita a produção de uma solução sanitária mais precisa.

Além do PCR para detecção e tipificação do agente patogênico, o SANPHAR/IPEVE oferece uma série de exames laboratoriais. Antibiograma para a melhor escolha e uso racional de antimicrobianos, além de sorologia para perfil de imunidade dos animais, estão entre as tecnologias oferecidas. “O SANPHAR/IPEVE possui equipe de médicos veterinários, biomédicos, biólogos e técnicos com muita experiência e tem o compromisso para assegurar a segurança e a qualidade dos diagnósticos dos exames oferecidos e da produção de vacinas autógenas, além do acompanhamento e orientação para cada caso”, finaliza Talita Resende.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe feed&food.

LEIA TAMBÉM:

Diferencial do ovo brasileiro está no frescor

Brasil participa de rodada de negócios com foco no Reino Unido

Consumo per capita de ovo deve aumentar em 2021

laboratório

Workshop foca em laboratórios de alimentação animal

Simpósio de bovinocultura de leite abre inscrições