Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
BOVINOCULTURA

Conteúdo

Resiliência e força: Campanelli anuncia novo confinamento

Espaço está localizado na cidade de Araçatuba, no interior do Estado de São Paulo
feedfood

Wellington Torres, da redação

wellington@ciasullieditores.com.br

Na contramão de um dos momentos mais desafiadores enfrentados pela bovinocultura brasileira, Victor Campanelli anuncia novo confinamento, reforçando o desenvolvimento inovador das empresas Campanelli e TecnoBeef, referências dentro e fora do País.

Com capacidade de engorda de 25 mil animais, o novo espaço, localizado na cidade de Araçatuba, no interior do Estado de São Paulo, é prova prática da máxima defendida pelo empresário: “Quando há volatilidade, há – em contrapartida – oportunidades”.

O confinamento, como explica Victor, possui dupla aptidão. “Dependendo do mercado, podemos usá-lo como estratégia para sequestrar bezerros, ou, eventualmente, terminar animais”, ressalta, ao frisar que o local já conta com sistema intensivo a pasto, o que possibilita o trato de cerca de seis mil bois, com fornecimento de até onze quilos de ração por dia.

“Iniciamos o confinamento com oito mil cabeças, mas o projeto tem como objetivo dobrar para dezesseis mil”, estima, ao salientar que o tempo de permanência mais curto deve resultar em três ciclos ao longo do ano.

“É um confinamento que nos possibilitará um pouco mais de flexibilidade. Podemos produzir a pasto ou em confinamento, assim como aproveitar o potencial de diferentes gramíneas nas diversas épocas do ano, uma mudança considerável frente ao nosso outro confinamento, na fazenda Santa Rosa”, ressalta. A unidade citada por ele, localizada na região de Altair, também no interior do Estado de São Paulo, tem capacidade para engordar 100 mil bois por ano.

Para Victor, o projeto – em contrapartida ao cenário atual enfrentado pelo setor – reforça a importância de “toda e qualquer atitude tomada no sentido de melhorar a lucratividade para determinado momento”.  “Há vários fatores que influenciam a empresa para uma boa estratégia, como os preços do boi gordo, da reposição do bezerro e dos insumos. Analisamos todos esses pontos para tomarmos uma decisão totalmente racional, como essa”, afirma.

Essa decisão, como reitera Victor, é resultado do ato de acreditar no próprio negócio. “Já vivemos muitas outras crises e temos uma expertise muito grande em construir sinergia, o que permite ser cada vez mais competitivo”, pontua e acrescenta: “Crescemos em momentos de crises. Eles possuem um poder profilático que, ao passarmos, nos fortalecem”.

Da necessidade à prática

Assim como o novo confinamento, a TecnoBeef também surgiu de uma necessidade do grupo e, hoje, dará suporte à iniciativa.  A empresa promove qualidade, procedência e customização de produtos com foco em ruminantes.

“Desde que anunciamos a fábrica, não paramos de expandi-la, sempre com capacidade máxima de produção, rodando turno”, comemora Victor, ao frisar que deixaram de ser uma fábrica regional, para se tornar uma de grande porte: “Não temos nenhum produto de prateleira e pretendemos continuar assim, sempre buscando o que é melhor para o cliente e não para indústria”.

“É sobre ter o produto adequado para a hora adequada com foco na categoria certa e, assim, auxiliar na melhor estratégia em busca do maior retorno. A TecnoBeef se encaixa totalmente nesse novo projeto, não só como fornecedor de matéria-prima, mas como fornecedora de conhecimento e fomento do melhor resultado”, finaliza.

LEIA TAMBÉM:

Influenza Aviária reacende debate sobre crises sanitárias  

Unifrango marca o encontro de grandes empresas do agro 

SBSS abordará vacinas autógenas durante painel sobre biosseguridade