Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Projeto de preservação em MS recebe sementes do cerrado

Doação auxilia recuperação de áreas localizadas no Alto Taquari, ao norte do Estado
feedfood

Cerca de 900 kg de sementes de árvores nativas do cerrado foram entregues ao Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) pelo Instituto Taquari Vivo (ITV), em parceria com a Associação de Restauração, Conservação e Preservação de Produtores de Água da Bacia do Guariroba (ARCP).

A doação tem como objetivo auxiliar no projeto de recuperação de áreas localizadas na região do alto Taquari, no norte do Estado. Segundo o diretor-presidente do IMASUL, André Borges, as sementes darão início ao processo de produção de mudas que auxiliarão na recuperação das áreas do Parque Estadual de Nascentes do Rio Taquari.

Borges ainda aponta que, uma vez que a parte de conservação do solo esteja concluída, as mudas serão essenciais para a recuperação das áreas dentro do Parque: “Esse passo é fundamental para dar mais celeridade ao projeto, que é atualmente o maior projeto de recuperação em unidade de conservação no Brasil”.

Sementes darão início ao processo de produção de mudas que auxiliarão na recuperação das áreas do Parque Estadual de Nascentes do Rio Taquari (Foto: divulgação)

As sementes coletadas fazem parte de uma rede de sementes promovida em parceria com pequenos produtores. Além de contribuir para a conservação da bacia e proteção do meio ambiente, o projeto beneficia todos os participantes da cadeia.

O Instituto Taquari Vivo atua na região com ações de recuperação de pastagens e proteção das nascentes, destaca a importância das árvores plantadas na redução do assoreamento do rio, um grave problema ambiental do Estado.

“Isso permitirá a proteção das Áreas de Preservação Permanente (APPs) e a recuperação de áreas degradadas ao longo do tempo. Essas medidas são fundamentais para evitar que sedimentos cheguem ao rio e, consequentemente, ao Pantanal”, explica Renato Roscoe, diretor executivo do ITV.

Claudinei Menezes, diretor presidente da ARCP Guariroba, destaca que esse trabalho ajuda as comunidades, fornecendo recursos financeiros e conhecimento para que possam atuar como coletores de sementes e obter seu sustento através dessa atividade. 

“Dessa forma, os interesses de todos os envolvidos, tanto na região do Guariroba quanto na região do Taquari, estão alinhados no mesmo propósito: a questão da sustentabilidade e a preservação e recuperação do meio ambiente”, destaca Menezes.

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

União com Arábia Saudita vai recuperar pastagens brasileiras

Produção de carnes deve atingir maior nível na série histórica

Produtividade no campo pode crescer 25% com conectividade