Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Programa recebe investimento de R$ 3 milhões para promoção do bem-estar animal

Expectativa com o projeto piloto é fomentar o desenvolvimento sustentável do setor leiteiro do Brasil
feedfood
FOTO: REPPRODUÇÃO

A Danone Brasil anunciou investimento de 3 milhões de reais em um programa pioneiro de promoção do bem-estar animal direcionado à cadeia do leite. A iniciativa visa reforçar o compromisso da empresa em promover boas práticas de manejo para além da cadeia de produtores, fomentando o desenvolvimento sustentável do setor no País.

O início da aplicação será no mês de novembro, correspondendo à meta global da companhia de até 2025 adquirir 30% dos principais ingredientes diretamente de fazendas já em transição para práticas regenerativas, a qual o bem-estar animal é um pilar central.

O projeto será realizado por meio da “Fazenda Tudo de Bem” – um programa precursor de sustentabilidade e bem-estar animal, que será a base para o desenvolvimento das práticas nos próximos anos. 

FOTO: REPRODUÇÃO
Danone Brasil anunciou investimento de R$ 3 milhões em um programa pioneiro de promoção do bem-estar animal (FOTO: REPRODUÇÃO)

“Em linha com os avaliação global da Danone na pauta de bem-estar animal e a nossa ambição de promovermos as transformações estruturais e setoriais necessárias rumo à uma nova economia, definimos um programa pioneiro no Brasil, junto a instituições renomadas e de referência, acerca da jornada que queremos trilhar com nossas fazendas parceiras na captação de leite nos próximos anos. Estamos rumo aos mais altos padrões de bem-estar animal, com iniciativas economicamente viáveis, socialmente justas e ambientalmente corretas”, explica a Gerente de Sustentabilidade da Danone Brasil, Taisa Costa.

O programa desenvolvido em parceria com a BE.Animal, a F&S Consulting e a Embrapa Gado de Leite, globalmente conta com a parceria da Compassion in World Farming (CIWF).

“Nos dedicamos a entender os desafios dos produtores de leite brasileiros e atuar em um modelo de parceria com eles, em que geramos sucesso econômico para a fazenda e progresso social para as famílias produtoras”, relata o diretor de Compras da Danone Brasil, Henrique Borges, e completa, “hoje, 70% da nossa base de fornecedores de leite é composta por pequenos produtores, cujo impacto econômico, social e ambiental é reconhecido pela certificação B Corp. A ambição da Danone é apoiar os produtores de leite na transição para práticas mais sustentáveis de produção, incluindo o bem-estar animal como um pilar fundamental desse processo e para a perenidade da atividade leiteira no país”.

O diretor de compras ainda destaca que, “termos produtores bem capacitados é essencial porque, além de mais produtivos, geram vários outros impactos positivos quando valorizam o bem-estar animal: entregam um leite com melhor qualidade, reduzem a pegada de carbono e preservam o meio ambiente”.

“Com o anúncio desse compromisso, a Danone reafirma seu pioneirismo em investir em treinamento, apoio técnico e autocontrole, focando nos 5 domínios de bem-estar animal: boa nutrição, boa ambiência, bom comportamento, boa saúde e bom estado mental”, frisa Borges.

FOTO: REPPRODUÇÃO
Danone Brasil reforça compromisso em promover boas práticas de manejo para além da cadeia de produtores (FOTO: REPPRODUÇÃO)

A Danone, também como parte do compromisso, lançará um projeto piloto que contará com a participação de 20% das fazendas leiteiras parceiras. Na conclusão da primeira etapa, o esperado é ter um modelo validado e replicável para ganhar uma escala fomentando a adesão dos demais produtores. Além do mais, o programa será aberto e divulgado para todas as indústrias lácteas interessadas em implementar as boas práticas de bem-estar animal.

Segundo a Gerente de Sustentabilidade, Taisa Costa, a Danone entende que essa é uma agenda pré-competitiva e pretende mobilizar o setor. “Para isso, iremos compartilhar as soluções que se mostrarem viáveis para impulsionar o desenvolvimento de toda a cadeia”, afirma.

Já o diretor de compras, Borges, finaliza reforçando que, “mantemos o produtor de leite no centro da nossa atenção para acelerar este que é um dos pilares fundamentais do nosso modelo de agricultura regenerativa. Sabemos que essa é uma transição necessária para termos uma produção de leite a longo prazo e, por isso, estamos confiantes que eles irão aderir e se beneficiar do programa”.

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária

Patrocinado
Patrocinado