Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Programa de recuperação de pastagens degradadas ganha destaque na COP 28

Na ocasião, os representantes do MAPA também estiveram reunidos com outros países
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

O programa de recuperação de pastagens degradadas ganhou destaque com a participação do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) no encerramento da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 28), nesta segunda-feira (11), em Dubai.

Durante as discussões sobre o futuro do meio ambiente e como evitar uma catástrofe climática global, nos dez dias, aproximadamente 70 mil pessoas de diferentes países marcaram presença, entre representantes de governos e da sociedade civil.

A participação do MAPA ocorreu através de um painel próprio para o lançamento do Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradadas no Pavilhão Brasil. Neste cenário, o secretário de Comércio e Relações Internacionais, Roberto Perosa, conduziu o evento, que também contou com a presença do Banco do Brasil e de empresas do agronegócio brasileiro, como Syngenta, JBS e Marfrig.

FOTO: REPRODUÇÃO
MAPA participa do encerramento da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 28) (FOTO: REPRODUÇÃO)

“Tivemos a oportunidade de mostrar ao mundo como o País pretende intensificar, dobrando a produção agropecuária brasileira nos próximos 10 anos, convertendo pastagens degradadas em áreas agricultáveis”, frisou o secretário.

Além de estar presente em uma importante reunião com o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), na ocasião, os representantes da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do MAPA também estiveram reunidos com países como é o caso do México, do Uruguai, do Chile e outros.

FOTO: REPRODUÇÃO
Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 28), em Dubai (FOTO: REPRODUÇÃO)

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária