Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
BOVINOCULTURA

Conteúdo

Preço do leite causa impacto na venda de sêmen bovino

Nos três primeiros meses do ano foram comercializadas 1,27 milhão de doses de sêmen para leite
feedfood
FOTO: REPRODUÇÃO

Entre altos e baixos, a elevação do preço do leite ao produtor nos últimos meses foi o principal responsável pelo aumento de 14% das vendas de sêmen de aptidão leiteira nos primeiros três meses de 2023, como destaca a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia).

Segundo a Asbia, no período de análise, foram comercializadas 1,27 milhão de doses de sêmen para leite contra 1,11 milhão de doses no ano passado. O volume, o maior em 5 anos, refere-se à venda para os clientes finais.

“Esses números estão perfeitamente alinhados ao cenário atual do leite. Os preços ao produtor fecharam 2022 na casa do R$ 2,65 o litro e estão em R$ 2,81, segundo o Cepea. O grande impacto da genética superior nos rebanhos, se perpetuando e resultando em animais cada vez mais produtivos, atrai os produtores para a inseminação e esse processo é irreversível”, explica o executivo da Associação, Cristiano Botelho.

O mercado foi bem abastecido com a importação de 772.831 doses de sêmen para leite, 4,31% maior que nos três primeiros meses de 2022. A coleta (mais de 556 mil doses) foi a segunda maior dos últimos cinco anos. As exportações registraram 85.756 doses, sendo o segundo melhor desempenho dos últimos anos no primeiro trimestre, atrás também apenas de 2022 (144.050 doses exportadas).

“O primeiro trimestre de 2023 foi de muita movimentação na genética, especialmente no segmento de leite. Exportamos para oito países e houve crescimento do envio de doses para quatro das cinco regiões do país. A genética bovina leiteira se consolida cada vez mais como um investimento vital para o aumento da produtividade e desenvolvimento do setor”, detalha Botelho.

No entanto, a produção de doses de sêmen com aptidão para corte foi 32,6% menor em comparação com o mesmo período de 2022. Foram importadas 176.887 doses e exportadas cerca de 48 mil. A prestação de serviço saltou 7,5%. Cerca de 2,5 milhões de doses foram vendidas a pecuaristas em todo o país – recuo de 12,3% em comparação a 2022.

“O uso da inseminação artificial é crescente em que pese o ciclo de baixa da atividade. Cada vez mais produtores são atraídos pela IA e a tendência é de volta de crescimento do desempenho nos próximos meses”, afirma o profissional.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

15º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura abre inscrições

Valor da Produção Agropecuária (VPA) de Santa Catarina cresce 13,8%

Produzir milho é vocação nacional, afirma ministro

Patrocinado
Patrocinado