in

Planejamento sanitário pode ajudar na eficiência da desmama

Cuidados constantes são essenciais em todas as fases para o sucesso do manejo

Um importante indicador para avaliar uma fazenda de cria ou de ciclo completo é o índice zootécnico Taxa de Desmama, calculado pela relação entre o número de bezerros desmamados dividido pelo número de vacas expostas dentro de um determinado período pecuário. Alguns indicadores mais produtivos relatam que essa relação pode chegar a 79,1%, levando em conta perdas gestacionais e mortalidade de bezerros dentro do mesmo período avaliado.

A desmama se caracteriza pela retirada do bezerro do contato com a vaca, normalmente entre o 7º e 9º mês de idade. Nessa época, o animal já é um ruminante e tem plena condição de utilizar forragem sólida como única fonte de energia e de nutrientes de que necessita. Além disso, a participação do leite na dieta do bezerro é pequena após o terceiro mês de lactação.

“O desmame pode ser realizado de formas diferentes, de acordo com as intenções do pecuarista e pode ocorrer em momentos distintos da vida do bezerro, dependendo do manejo realizado em cada propriedade. No entanto, para que esse período não seja crítico e/ou acarrete perdas, é preciso um planejamento com antecedência. Só assim, haverá uma desmama com eficiência e com bezerros que atinjam bom peso”, explica o médico-veterinário e Gerente de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó, Reuel Gonçalves.

Para isso, é fundamental adotar um programa sanitário e aliá-lo ao programa de desmama, dando início ao um protocolo antes do nascimento do bezerro. “Um dos problemas recorrentes durante a fase de aleitamento e que pode influenciar o desenvolvimento do bezerro, por exemplo, são as diarreias neonatais. Para se evitar essa enfermidade, a indicação é fazer uma vacinação preventiva na vaca com 60 e 30 dias antes do parto, contra Escherichia coli J5 e Rotavírus (G6 e G10). Essa medida ajudará a baixar os índices de diarreia neonatal nos primeiros 35 dias de vida do bezerro, além de promover um excelente desenvolvimento, garantindo um bezerro mais sadio e, consequentemente, com melhor peso até a desmama”, orienta Gonçalves.

O médico-veterinário lembra que no nascimento do bezerro há a etapa da cura do umbigo, quando se deve utilizar no manejo iodo 10% (“queima” do umbigo), repelente mosquicida, além de ser recomendada a aplicação de doramectina 1,1% para prevenir a instalação de uma miíase.

“Entre 60-90 dias, o produtor deve se atentar à prevenção efetiva contra doenças que podem prejudicar ou causar a mortalidade em bovinos. Esse é o momento de vacinar contra a clostridiose – indicada uma vacina com 8 cepas + a cepa de E. coli J5 – e, caso a região seja endêmica para a raiva, é fundamental fazer a aplicação da vacina antirrábica, com reforço 30 dias depois da primeira dose e uso de pour-on de Fluazuron simples, não conjugado”, detalha o profissional da Biogénesis Bagó. Segundo ele, entre os três e oito meses, as fêmeas, bezerrras, também devem receber vacina B19 contra a brucelose, uma doença que, além de prejuízos econômicos na propriedade, é uma zoonose e possui controle oficial.

Aproveitar o manejo para desverminar
O médico-veterinário e coordenador de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó, João Paulo Lollato orienta que o produtor pode aproveitar o manejo, com 90-120 dias, para desverminar o animal com um vermífugo concentrado. “Caso seja uma época chuvosa, em que há o desafio de combater os endo e ectoparasitas, há a indicação de ministrar uma Ivermectina concentrada (3,15%), que atua com longa ação. Caso seja na época da seca, com apenas o desafio de combater os parasitas internos, pode-se ter como aliado o fosfato de levamisol concentrado (23,63%)”, pontua.

Lollato ressalta que fazer uma suplementação com minerais injetáveis, à base de Cobre e Zinco orgânicos, nessa fase auxilia de forma efetiva para o desenvolvimento dos animais, influenciando positivamente na imunidade.

Após esse primeiro manejo, de dose e reforço das vacinações, já por volta dos sete/nove meses preferencialmente antes da desmama, a orientação é que seja realizada uma terceira dose das vacinações contra clostridiose (com 8 cepas + cepa de E. coli J5 para prevenção de diarreias), vacina antirrábica e novamente a aplicação de vermífugo de longa ação. “Isso porque caso o animal seja encaminhado a um manejo de recria, poderá ficar até quatro meses sem ter que voltar para um manejo de curral. Neste momento também é indicada novamente a aplicação da suplementação injetável com Zinco e Cobre Orgânicos, que auxiliará na imunidade e minimizará o estresse que esse animal passará no período da desmama”, acrescenta Lollato.

O pecuarista de corte deve considerar a desmama visando principalmente a vaca, a fim de que ela possa recuperar a condição corporal para parir bem e emprenhar logo, considerando que uma vaca produtiva e rentável é aquela que fornece para a fazenda um bezerro por ano.

“Portanto, o sucesso da desmama começa com um ótimo programa nutricional das vacas e bezerros, suplementação mineral e vitamínica em conjunto com um programa vacinal e antiparasitário completo para que o animal não apresente queda imunitária e manifestação de doenças, devido ao estresse desse manejo”, conclui o Coordenador de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó.

Fonte: A.I.

notebook

Yes promove soluções para avicultura durante 21º SBSA

Cobb-Vantress aborda manejo estratégico durante o SBSA