in

Peixe BR participa de comitiva a Israel

Principal objetivo é fortalecer a piscicultura nacional

Principal objetivo é fortalecer a piscicultura nacional

Em viagem a Israel, o presidente Jair Bolsonaro deve realizar tratavas com finalidades políticas, mas também comerciais. A Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR) e seus associados Tilabrás e Friocenter integram a comitiva que estará no país entre os dias 01 e 02 de abril.

O objetivo principal da comitiva é fortalecer a piscicultura nacional e prospectar negócios internacionais. A ação é promovida pelo Governo Federal, com apoio da Apex-Brasil e contará também com a presença de ministros de Estado e do secretário de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif jr.

Na visão do presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros, a presença da entidade na missão presidencial é de extrema relevância para a expansão da piscicultura brasileira no cenário internacional.

“No primeiro dia, visitaremos a empresa Aquatech Fisheries, onde o secretário e a comitiva conhecerão os peixes da Growing Barramundi criados em sistema de recirculação em área de deserto. No período da tarde, visitarão a Enzootic, renomada empresa de biotecnologia e genética animal de Israel, onde se encontrarão com o prof. Amir Sagi, da University Ben-Gurion do Neguev. A Enzootic já participa de projetos no Brasil”, diz Medeiros.

 A comitiva também participará de um seminário de negócios entre os dois países, em Jerusalém. “A Peixe BR participará da abertura do evento Brasil-Israel, que contará com a presença do presidente Jair Bolsonaro e do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, além de almoço das delegações. A missão será uma excelente oportunidade para apresentar a qualidade do peixe de cultivo brasileiro, fazer negócios e trocar experiências sobre as formas de produção de ambos os países. Esperamos estreitar a relação com Israel e trazer bons resultados”, afirma o presidente executivo.

Fonte: Peixe BR, adaptado pela equipe feed&food.

SNDS acontece em agosto e traz inovação

Conbrasul terá debate sobre postura comercial