Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

Pecuária brasileira está segura com o novo governo argentino

A proteína no País se mantém mais barata e acessível
feedfood
Foto: reprodução

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), informou nesta quinta-feira (30), que a mudança de governo na Argentina não deve trazer consequências negativas para a pecuária de corte brasileira.

No mercado internacional não deve haver disputa entre ambos os países, sendo poucos os espaços de concorrência direta. A carne produzida no país é reconhecida por sua qualidade e costuma ser comercializada em segmentos diferentes dos ocupados pela proteína brasileira.

Contudo, mesmo que seja esperado o aumento das exportações argentinas, as compras externas também devem abrir espaço para o mercado no Brasil crescer juntamente.

FOTO: REPRODUÇÃO
Exportações argentinas devem abrir espaço para as vendas brasileiras (FOTO: REPRODUÇÃO)

De acordo com United States Department of Agriculture (USDA), o país vizinho é o sexto maior produtor e o quinto maior exportador de carne bovina do mundo, porém, como grande produtor, o Brasil adquire pouco do produto.

Em todo caso, os custos de produção no país vizinho são superiores dificultando a competitividade e mesmo que o governo argentino implemente políticas de ampla abertura comercial, a carne brasileira se mantém mais barata e acessível para as populações afetadas pela crise econômica.

Fonte: Cepea, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária