in

Os desafios da Circovirose Suína

Doença gera uma série de prejuízos econômicos para suinocultura mundial

Doença gera uma série de prejuízos econômicos para suinocultura mundial

A Circovirose Suína é um dos maiores desafios enfrentados mundialmente pela suinocultura industrial. A doença tem como agente o Circovírus Suínos do tipo 2 (PCV2), da família circoviridae. Altamente contagioso e resistente, o vírus é responsável por uma série de prejuízos produtivos.

A doença ataca o sistema imunológico dos animais e atinge suínos de várias idades, do desmame até o setor de terminação. Entre os sinais clínicos mais comuns estão retardo no crescimento, anemia, icterícia e refugagem (síndrome de definhamento progressivo). Dados recentes indicam que o PCV2 aumenta a taxa de mortalidade em animais de maternidade, creche e até em fase final de produção.

“A Circovirose atinge os suínos em diversas fases de criação, o que aumenta as taxas de mortalidade dentro da granja e gera uma série de prejuízos econômicos, associados às perdas zootécnicas, piora na conversão alimentar e gastos com tratamento”, afirma o Diretor da Unidade de Suínos da Ceva Saúde Animal, Júlio Acosta.

O PCV2 é responsável por um complexo de doenças, entre elas a Síndrome de Refugagem (PMWS) e a Síndrome de Dermatite e Nefropatia (PDNS). Além disso, por conta da imunossupressão, os suínos ficam sujeitos à ação de outros agentes oportunistas, que podem estimular o surgimento de uma série patologias entéricas e respiratórias. Atualmente, o sequenciamento genômico do PCV2 apresenta cinco genótipos, PCV2a, PCV2b, PCV2c, PCV2d, e PCV2e.

O controle da patologia envolve uma série de ações, entre elas, investimentos em biosseguridade, manejo, nutrição, e principalmente, na imunização dos suínos. Ciente dos desafios impostos pelo PCV2, a Ceva Saúde Animal oferece ao mercado a Circovac®, vacina inativada que confere proteção contra a Circovirose Suína.

“O produto age em duas frentes, na imunização ativa dos leitões e passiva, via colostro. Além disso, a Circovac® reduz a excreção viral, o que, consequentemente, diminui a pressão de infecção na granja”, explica Acosta.

A vacina contém em sua formulação o PCV2 inativado e um adjuvante oleoso. A Circovac® é preferencialmente indicada para imunização de leitões no desmame e produz consistente e duradoura resposta ativa. Entretanto, também pode, em situações especiais, ser utilizada em marrãs e matrizes adultas (otimização da transferência de imunidade passiva e/ou redução de perdas reprodutivas).

Fonte: A.I., adaptado pela equipe feed&food.

Conservando os alimentos com ótimo custo-benefício

Exportação de carne bovina caiu 4% em março