Patrocinado
MERCADO

Conteúdo

O papel dos créditos de carbono contra mudanças no clima

Especialista explica a importância da regulação e a relevância brasileira neste mercado
feedfood

Na última semana, o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, anunciou que o marco legal do mercado de carbono é prioridade na pauta da transição ecológica. Fato é que as mudanças climáticas se tornaram uma das maiores ameaças ao futuro do planeta e, por isso, exige ações urgentes para o incentivo da redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE). 

Para o pesquisador e especialista em Mudanças Climáticas e Mercado de Carbono, Carlos Sanquetta, a decisão visa regulamentar um mercado que, até então, é trabalhado de forma voluntária, visando apenas à reputação social e ambiental das empresas.

Atualmente, o mercado regulado de carbono é baseado em metas e compromissos de redução e compensação de emissões de gases de efeito estufa, que são regulados internacionalmente, por regiões e países, conta o professor. 

Para Carlos Sanquetta, Brasil tem um grande potencial no mercado de carbono (Foto: divulgação)

“Vários países já têm o seu mercado regulado nacional e o Brasil está para criar o seu. Mas, vale ressaltar, já existe um mercado voluntário em atuação no País, que não é regulado, mas reputacional”, conta e acrescenta: “Os compradores de crédito fazem para melhorar sua performance social e ambiental, aumentando suas chances de obter melhores taxas e financiamentos”.

O especialista, que atua há 29 anos como professor titular da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e é cientista do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), conta que o Brasil pode movimentar entre US$ 493 milhões a US$ 100 bilhões com o mercado de carbono, representando um grande potencial neste mercado. 

“Mais de 80% da produção de energia do Brasil vem de fontes renováveis, enquanto a média mundial é de 30%. O Brasil é um dos melhores países do mundo para gerar créditos de carbono, podemos atender até 49% da demanda mundial, até 2030. Há muitos pontos a favor desse mercado, como: regulamentação do artigo 6 do Acordo de Paris, retorno do mercado regulado de carbono, regulamentações internacionais e nacionais de equivalência de carbono e a criação do mercado brasileiro de carbono (PL 528, PL 412 e seus desdobramentos)”, pontua.

O crédito de carbono é uma espécie de “moeda” que representa a quantidade de carbono que deixou de ser emitida ou foi removida da atmosfera, contribuindo assim com a diminuição do efeito estufa. Um crédito de carbono é 1 tonelada de dióxido de carbono equivalente. 

Países do mundo todo fizeram acordos estabelecendo metas de redução de emissões de carbono. Para atingir essas metas, o governo de cada país cobra ações efetivas das empresas, que melhoram processos, implantam novas tecnologias e reduzem suas emissões. 

Mas, Sanquetta conta que essa redução nem sempre é viável no patamar estabelecido pelo país, por isso, nesses casos, as empresas podem comprar créditos de carbono de um projeto que esteja reduzido emissões ou removendo carbono da atmosfera. “Com várias iniciativas como essa, o governo consegue cumprir sua meta de redução de emissão”, finaliza o especialista.

Fonte: AI, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

Consumidor dita regras: bem-estar animal se torna commodity 

Pig Fair reúne marcas e soluções no primeiro dia do SBSS15ª edição do SBSS reforça união setorial