in

Nordeste pode receber tecnologia de Israel

País asiático é referência em tecnologias que envolvem uso da água

País asiático é referência em tecnologias que envolvem uso da água

Uma reunião realizada com o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, teve como objetivo discutir propostas que permitam o uso racional da água e tecnologias que alavanquem a produção agropecuária no semiárido. O país asiático é referência em tecnologias de dessalinização, reuso de água para abastecimento e consumo da população e em agricultura irrigada.

Neste contexto, a ideia é agregar conhecimento, pesquisas e tecnologias produzidas no Brasil e em Israel por meio de um grupo de trabalho que será criado para buscar as melhores soluções aos produtores.

“Temos um projeto com o Ministério da Agricultura para o desenvolvimento do Nordeste. E o desenvolvimento passa principalmente por água e por levar tecnologia ao pequeno produtor. E o embaixador de Israel colocou à nossa disposição a mais recente tecnologia para proporcionar água a quem não tem água nem para beber”, diz o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins.

Junto a ele, esteve presente na reunião realizada em Brasília (DF) na última quarta-feira (06) a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Ela destacou a necessidade de levar mais tecnologia, água e infraestrutura para o Nordeste e ressaltou que é preciso buscar políticas necessárias para a região. Também citou o trabalho do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) na capacitação de produtores e trabalhadores do campo.

cna reuniao 01-reproducao

Ao propor a criação de um grupo de trabalho para discutir propostas para desenvolver a produção do semiárido nordestino, o embaixador (no centro da foto) afirmou que as tecnologias produzidas por Israel de irrigação e uso da água podem ajudar no crescimento do agro brasileiro (Foto: reprodução)

O diretor-geral do Senar, Daniel Carrara, informou que uma das ações do grupo será levar produtores e técnicos para conhecer as tecnologias que podem ser integradas pelos dois países para ajudar no desenvolvimento do Nordeste e gerar rentabilidade ao produtor rural do semiárido. De acordo com Carrara, o encontro entre a ministra e o embaixador foi um importante passo para “institucionalizar a parceria”.

Também participaram do encontro os presidentes das Federações de Agricultura e Pecuária do Amazonas (Faea), Muni Lourenço, da Paraíba (Faepa), Mário Borba, de Pernambuco (Faepe), Pio Guerra, do Rio de Janeiro (Faerj), Rodolfo Tavares, o deputado Arthur Maia (DEM-BA), além de superintendentes e consultores.

Fonte: CNA, adaptado pela equipe

Agro luta para manter desconto na energia elétrica

Bolsonaro não agrada sobre perdão do Funrural