in

Nebulização reduz incidência de problemas respiratórios em suínos

Período mais frio do ano também propícia o aparecimento de enfermidades

“A chegada do inverno traz consigo a maior preocupação com a manutenção da temperatura nas granjas de suínos, especialmente dos leitões na fase de creche. O manejo de cortinas é uma forma de manter o ambiente aquecido,  porém, é preciso muita atenção à qualidade do ar. Da mesma forma, a retenção de ar, partículas de poeira e microrganismos em suspensão aumentam a pressão de infecção e, consequentemente, o risco de infecções, especialmente problemas respiratórios, uma vez que o sistema de defesa do trato respiratório é sobrecarregado”, afirma o médico veterinário Paulo Bennemann, gerente técnico suinocultura LATAM da SANPHAR Saúde Animal.

Segundo Bennemann, determinados quadros clínicos podem se desenvolver nesse período mais frio, como pneumonias, que levam à perda das condições fisiológicas e, consequentemente, queda de desempenho dos animais, dada a necessidade de terapias medicamentosas. O especialista destaca que a prevenção é a melhor estratégia. “É preciso controlar a qualidade do ar para a redução da pressão de infecções ambientais. Um dos métodos mais eficazes é a nebulização, que contribui para redução de partículas de poeira em suspensão, assim como reduz a concentração de agentes virais e bacterianos presentes no ar. Com isso, controla melhor a umidade relativa do ar, que deve ser bem administrada no inverno”, diz. A qualidade da nebulização é crucial. Recomenda-se o uso de equipamentos que forneçam minúsculas gotículas de solução desinfetante. “Quanto menor for a partícula dessa solução mais tempo permanecerá em suspensão e maior será o tempo de ação, inativando os microrganismos patogênicos”.

A nebulização deve ser realizada com a utilização de uma solução desinfetante aspergida no ambiente, no entanto, é importante que esta solução não seja irritante às mucosas e trato respiratório ou tóxico para os animais e os aplicadores. A técnica consiste em pulverizar a totalidade do ambiente e não somente o nível em que se encontram os suínos. Para que as partículas de solução desinfetante permaneçam no ambiente e não sejam dissipadas, as cortinas devem ser fechadas, evitando correntes de ar. A frequência da aplicação depende do desafio respiratório enfrentado. “Em surtos de doenças respiratórias, a nebulização deve ser diária ou em intervalos de 48 horas. Situações de baixo desafio pedem nebulizações a cada 72 horas para a manutenção de uma boa qualidade do ar”, informa Paulo Bennemann.

Em seu portfólio, a SANPHAR oferece o TIMSEN, solução desinfetante à base de quaternário de amônio 40%, único no mercado na forma de cristais solúveis, ideal para nebulizações em granjas. O produto não é corrosivo, não irrita e é eficaz mesmo na presença de matéria orgânica, podendo ser utilizado na presença de animais. TIMSEN age de forma direta, por meio do contato da solução desinfetante, com bactérias e fungos.

Fonte: A.I.

LEIA TAMBÉM:

ACCS tem sua primeira mulher presidente

Embrapa lança plataforma on-line com foco na aquicultura

Poder de compra do suinocultor paulista segue abaixo do esperado

Inadimplência é menor entre produtores rurais, aponta Serasa