in

MAPA lança nova página sobre combate à raiva

Doença pode atingir bovinos, ovinos, bubalinos e suínos

Doença pode atingir bovinos, ovinos, bubalinos e suínos

Com o objetivo de  reduzir a incidência da raiva nos herbívoros, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) vem integrando ao esforço internacional, eações culminam com o Dia Mundial de Luta contra a Raiva. A data foi escolhida em homenagem a Louis Pasteur, que produziu a primeira vacina contra a raiva, e tem como finalidade conscientizar sobre as consequências da raiva humana e animal e explicar a maneira de preveni-la.

Desde 1966, o ministério instituiu o Plano de Combate à Raiva dos Herbívoros, que atualmente se denomina Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), executado pelo Departamento de Saúde Animal (DSA). O PNCRH tem suas ações visando o efetivo controle da ocorrência da Raiva dos Herbívoros no Brasil. Esse objetivo é alcançado por meio da vacinação estratégica de espécies suscetíveis (bois, vacas, suínos, ovinos e equinos) e do controle populacional de seu principal transmissor, o morcego Desmodus rotundus.

“A raiva é considerada uma das enfermidades de maior importância em saúde pública, não só por sua alta letalidade, mas também por seu elevado custo econômico e social”, diz a chefe da Divisão de Ruminantes do Mapa, Ellen Laurindo. Segundo ela, a doença é causada por um vírus que infecta animais domésticos e selvagens e nos herbívoros domésticos a principal forma de transmissão é através da saliva de morcegos hematófagos infectados da espécie Desmodus rotundus (hospedeiro do vírus), quando eles mordem estes animais.

O MAPA lançou uma nova página sobre o Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), para mostrar a necessidade de controle da doença. 

Vacina. A vacina é eficiente, de baixo custo, e recomenda-se a aplicação no gado anualmente, de forma estratégica. O Ministério determina que os produtores notifiquem, aos órgãos estaduais de defesa sanitária animal, a existência de animais com sinais clínicos característicos da raiva (salivação excessiva, paralisia, animais caídos, tremores, entre outros) e animais com marcas de agressões (mordidas) de morcegos hematófagos.

Existem três espécies de morcegos hematófagos no Brasil e todos podem transmitir a raiva. Estes animais são encontrados na maior parte da América Latina.

Em 2018, em todas as regiões do país, foram registrados 1.063 casos de raiva nas seguintes espécies: bovinos, bubalinos, cães caprinos, equinos, morcegos, gatos, ovinos e suínos.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe feed&food.

IOB realiza workshop sobre produção de ovos

Peste suína aquece mercado frigorífico brasileiro