Pesquisar
Close this search box.
Patrocinado
AVICULTURA

Conteúdo

MAPA confirma caso de influenza aviária em mamíferos marinhos

Caso esta atrelado a um leão-marinho-da-patagônia (Otaria flavescens)
feedfood
FOTO: MAPA

O Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) confirmou, na quarta-feira (04), a detecção do vírus da Influenza Aviária de Alta Patogenicidade (IAAP) em um leão-marinho-da-patagônia (Otaria flavescens), também chamado de leão-marinho-do-sul. O animal encontrado na praia do Cassino, no Rio Grande, litoral do Rio Grande do Sul.

Outros casos em mamíferos também já foram reportados nessa mesma espécie no Peru, Chile, Argentina e Uruguai, mas este é o primeiro foco da doença registrado em mamíferos marinhos no Brasil.

A investigação e a coleta das amostras foram conduzidas em conjunto com o Centro de Recuperação de Animais Marinhos de Rio Grande. As amostras foram processadas pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Campinas (LFDA-SP), referência na América do Sul para o diagnóstico do vírus, que confirmou tratar-se do H5N1, vírus da influenza aviária de alta patogenicidade já detectado em diversas espécies de aves silvestres no país.

O MAPA solicita à população que evite se aproximar do local onde os focos foram registrados e que não toque em animais doentes ou mortos para prevenir o contágio e a disseminação da doença, apesar das infecções humanas com vírus da influenza aviária serem raras. O ministério também reforça que não há risco no consumo de carnes de aves e nem de ovos inspecionados que tenham os selos de inspeção: SIF, SIE, SIM ou SISBI.

O Brasil segue livre da influenza aviária perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), por não haver registro da doença na produção comercial.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe FeedFood.

LEIA TAMBÉM:

PIB do agro tem avanço acumulado de 0,5% em 2023

Ações brasileiras são destaque nas Conferências da FAO

Uso de tanino reduz emissão de GEE em 17% na pecuária